Como está a saúde do seu casamento?

Leia as perguntas e anote suas respostas numa folha de papel. Seja bem sincero(a) nas respostas.
1. Você pode apontar fraquezas pessoais e preocupações com o seu parceiro, sem medo de crítica, constrangimento, ou julgamento?
(a) Sim (b) Às vezes (c) Não
2. Vocês conversam um com o outro sobre as preocupações relacionadas a dinheiro que afetam os dois?
(a) Sim (b) Às vezes (c) Não
3. Quando você está chateado ou irritado com algo que seu parceiro(a) faz ou deixa de fazer, é fácil falar com ela/ele sobre isso?
(a) Sim (b) Às vezes (c) Não
4. Seu parceiro(a) se sente à vontade com a maneira que você interage com amigos do sexo oposto?
(a) Sim (b) Às vezes (c) Não
5. Ambos estão satisfeitos com a maneira como estão pagando as contas e mantendo o controle de suas finanças?
(a) Sim (b) Às vezes (c) Não
6. Vocês conversam sobre decisões importantes e como elas afetarão o seu relacionamento e família?
(a) Sim (b) Às vezes (c) Não
7. Você sabe quais são as necessidades básicas de seu parceiro?
(a) Sim (b) Às vezes (c) Não
Agora, dê as notas ao seu relacionamento:
10 pontos para cada “a”
5 pontos para cada “b”
0 pontos para cada “c”
A pontuação perfeita é de 70 pontos.
70: Excelente, mas continue trabalhando nele. Você nunca sabe o que vai acontecer amanhã, ou quais os tipos de estresse serão colocados em seu relacionamento. Continue aprendendo!
65-55: Bom, mas há algumas áreas que precisam melhorar. Se você não abordá-las rapidamente, os probleminhas só vão aumentar.
50-40: Ruim. Seu casamento precisa seriamente de ajuda. Provavelmente, você precisa de ajuda profissional em fazer mudanças saudáveis para eliminar hábitos negativos já enraizados. É possível que seus pais e parentes têm o mesmo tipo de casamento. Você precisa de ajuda já.
35 e abaixo: Seu relacionamento está na UTI, correndo sério risco de vida. Há grandes estragos em seu relacionamento e um ou ambos estão se comportando e tomando decisões com base apenas em si mesmos. Um séria re-avaliação tem que ser feita. Sem dúvida você e/ou seu parceiro tiveram um ou mais dos seguintes problemas que precisam ser tratados: feridas não cicatrizadas do passado, problemas de confiança, falta de perdão, raiva, insegurança, e egoísmo. Busque ajuda imediatamente!
Pr. Josué Gonçalves

Dia dos namorados todos os dias

Nada melhor do que um presentinho, um jantar romântico e declarações de amor para deixar seu esposo ou esposa muito feliz. Mas é uma pena que muitos casais só lembram-se desses detalhes quando chega o dia dos namorados. E quando esse “dia” acaba muito do romantismo acaba também.

Quero compartilhar com você algumas dicas para que seus dias sejam eternos “Dia dos Namorados” e para deixar o romantismo sempre por perto.

1 – Tenha atitudes de amor

Sabemos que atitudes falam mais alto do que palavras. Quando você tem atitudes como dar preferência às escolhas do seu cônjuge ou quando você demonstra que verdadeiramente se importa com os seus sentimentos, isso se torna um “Eu te amo” em alto e bom tom.

2 – Tenha atitudes de carinho

Um abraço e um beijo pela manhã antes de sair para trabalhar podem mudar o dia inteiro. Não perca as oportunidades de pegar na mão, abraçar, tocar, beijar, acariciar. Está comprovado cientificamente que o ser humano precisa de carinho e afeto tanto quanto precisa de alimento.

3 – Verbalize gratidão

Sempre que puder agradeça seu cônjuge por lhe amar, cuidar de você e lhe apoiar. Agradeça quando ele ou ela fizer algo que você deveria ter feito, ou quando fizer algo que lhe beneficiou. Agradeça quando ele ou ela fizer algo rotineiro, assim você estará valorizando o trabalho, o esforço e a dedicação.

4 – Surpreenda

É muito fácil deixar que a rotina nos acomode ou torne os nossos dias mais monótonos. Por isso, fazer algo novo sempre surpreende e surpresas agradáveis sempre são bem vindas. Um jantar, um passeio, uma noite de sedução… Novidades sempre trazem a expectativa de que o amanhã será melhor.

Michelle Rocha.

Casamento e dinheiro, como ter uma boa relação?

Entenda como tornar o dinheiro um aliado do casamento e não vilão

O dinheiro tem sido o vilão de muitos casamentos, sejam eles recentes ou de longa data. A maioria dos conflitos tem entrado nos relacionamentos pela diferença como os cônjuges encaram o dinheiro. E quando essa diferença não é ajustada, então “a coisa fica preta”, ou melhor, “no vermelho”. O pastor Célio Fernando, líder do Ministério de Finanças Crown, alerta: “Pesquisas com cônjuges e líderes de casais apontam ser o dinheiro o principal causador de conflitos conjugais. Por isso, os casais que estão se preparando para o casamento e aqueles que já são casados devem estar atentos às questões financeiras.”

A má administração ou a falta dela é um dos principais pontos destacados pelo pastor Célio. Marido e mulher precisam andar juntos, como a Palavra fala, na administração dos recursos. Um pode ser melhor que o outro nesse quesito, por isso, a mulher dá suporte ao marido para administrar melhor e vice-versa. Caso contrário, a balança pesará mais cedo ou mais tarde. “E quando nenhum dos cônjuges administra as finanças, falta controle e sobram acusações. Sem administração, o surgimento de problemas financeiros é apenas uma questão de tempo, não importa a renda familiar”, completa Célio.

O casal Maria Alice e Fernando Horta já enfrentou conflitos por causa do dinheiro, mas superaram com um bom diálogo, oração e decisões. Fernando é mais estrategista e Alice é consultada em todas as decisões. “Já enfrentamos alguns conflitos e juntos, em oração, conseguimos chegar a um acordo! Procuramos manter o controle de todos os gastos e acompanhar a evolução de cada grupo de contas, para que o orçamento não saia do nosso controle. No dia a dia, Fernando fica com as contas fixas para pagamentos e Alice controla a parte variável”, conta o casal.

Ser menos sentimento/emoção e encarar essa relação dinheiro/casamento com mais praticidade é outro ponto importante. Talvez o marido não seja tão bom na administração, mas a mulher sim. Deixar o machismo e preconceito de lado é o primeiro passo para começarem a viver tempos melhores. “O casal deve ter a consciência da importância de lidar mais facilmente com o dinheiro e deve investir nisso. É extremamente importante descobrir aquele quem tem mais aptidão. Feito isso, um assumirá a responsabilidade e o outro dará apoio e suporte, acompanhando as contas regularmente”, acrescenta o pastor.

É melhor ter conta conjunta ou separada? Essa é uma pergunta comum entre os casais que vão se casar e muitos casais casados. O pastor Célio orienta a todos os casais que participam do Crown a administrarem ambos os salários em uma conta, assim como a Bíblia fala: “uma só carne”. “O ideal é a conta conjunta, mas uma exceção é quando um dos dois não tem domínio próprio, e pode acabar levando o casal a entrar numa fria. Mas quando não há esse problema, não deve existir o que é ‘dele’ e o que é ‘meu’. Tudo é dos dois, para os dois’”, afirma Célio.

Conta conjunta tem sido a opção do casal Eunice e Calisto Rodrigues para a administração do lar. “Temos conta conjunta em dois bancos, e também separada para recebermos a aposentadoria, pois é uma exigência do INSS. Enfrentamos desafios, principalmente, quando construímos nossa casa, mas conflitos e brigas nunca tivemos”, conta o casal.

Então é assim: se você ganha um mil e seu cônjuge dois mil, vocês têm três mil para administrarem. Mas se você não encara assim, então vocês têm um subtraído pelo outro, e a balança torna a pesar demais para um lado. “O plano de Deus para o casamento é a unidade dos cônjuges, assim, o dinheiro tem que servir a esse propósito. Não deve haver competição entre o casal e o dinheiro deve ser encarado como um bem da família e não como propriedade dos indivíduos separadamente”, explica o pastor Célio Fernando.

Quando o casal entende isso, sair do vermelho é consequência do ajuste, que influencia não somente a nova vida do casal, mas dos filhos. Eles vão aprender a ser bons administradores com os pais e serão bem-sucedidos nessa relação dinheiro/casamento. O dinheiro deve ser um aliado do casamento, principalmente na realização de sonhos, mas para isso é necessário agir com sabedoria e inteligência, que Deus concede a nós. Potencialize essa harmonia que existe na relação dinheiro/casamento, “sejam transparentes; dividam responsabilidades; prestem contas um ao outro; não omitam nada; sejam criativos para economizar. Por fim, sejam solidários em vez de cobrar um do outro”, conclui Célio.

Seis dicas da Palavra de Deus para obter sucesso financeiro no casamento:

1- Provérbios 22.7 – Não façam dívidas;

2- Provérbios 12.15 – Peçam conselho para tomar uma decisão financeira importante;

3- Mateus 6.24 – Escolham a quem vocês servirão;

4- Deuteronômio 10.14 – Reconheçam que vocês são mordomos e todas as coisas pertencem ao Senhor;

5- Mateus 6.33 – Busquem o Reino de Deus e sua justiça e creiam na Sua provisão.

6- Filipenses 4.5 – “Seja a vossa moderação conhecida de todos os homens. Perto está o Senhor.”

 

 

:: Stephanie Zanadrais

Porque as pessoas se casam?

Antes de iniciar uma discussão de como fazer o casamento funcionar, talvez devamos propor  uma pausa suficientemente prolongada para perguntar: Qual é o propósito do casamento? Que estamos tentando realizar por meio dele?

Se você fizesse a uma dúzia de amigos essas duas perguntas e pedisse que escrevessem em particular suas respostas, quantas opiniões diferentes você acha que receberia? Essas são algumas das que registrei tanto de solteiros quanto de casados: sexo, companheirismo, amor, prover um lar para os filhos, aceitação social, vantagem econômica e segurança.

Debates amplos e recentes sobre o significado do casamento colocaram essas questões em primeiro plano. Alguns defendem que é possível ter todas essas coisas sem se casar. Há décadas, a sociedade decidiu que não é preciso casar para ter relações sexuais.

Numa época em que metade dos lares é ocupa-[da por solteiros, segundo levantamento recente, ser casado não garante mais a aceitação social ou a vantagem econômica. “Viver juntos” está em alta. O que dizer do amor, da segurança, do companheirismo e de um lar para os filhos? Essas coisas não podem ser obtidas, até certo ponto, sem o casamento? Qual seria, então, a vantagem do matrimônio?

 

Para responder a essas perguntas de forma completa, precisamos examiná-las com o olhar da fé, buscando a sabedoria de Deus. Vemos na Bíblia um quadro muito diferente. A partir de Gênesis — o primeiro livro da Bíblia, no qual lemos a história da criação —, descobrimos que a idéia de casamento de Deus é a fusão de duas vidas da maneira mais profunda possível em uma nova unidade que não somente satisfará as pessoas envolvidas, com também servirá

aos propósitos de Deus do modo mais elevado.

 

Companheirismo e compromisso

 

O coração da humanidade clama por companhia. Somos criaturas sociais. O próprio Deus disse a respeito de Adão: “Não é bom que o homem esteja só” (Gn 2:18). Lembro que esta análise foi feita antes da queda da humanidade, e que esse homem já tinha a companhia

afetuosa e pessoal de Deus. Ainda assim, o Senhor disse: “Isso não basta.”

A solução de Deus à necessidade do homem foi criar a mulher (Gn 2:18). O termo hebraico usado aqui significa, literalmente, “face a face”. Isto é, Deus criou um ser com quem o homem poderia ter um relacionamento face a face. Isto revela o tipo de relação pessoal profunda

por meio da qual os dois são ligados em uma união inseparável que satisfaz os anseios mais profundos do coração humano. O casamento foi a resposta de Deus à necessidade mais profunda do ser humano: a união da vida de uma pessoa com outra. Esta unidade deve abranger todos os aspectos da existência. Não se trata apenas de um relacionamento físico. Nem é simplesmente dar e receber apoio emocional. Mais que isso, é a união total de duas vidas nos âmbitos intelectual, social, espiritual, emocional e físico. Esse tipo de união não pode existir sem o compromisso profundo e duradouro que Deus quer que acompanhe o casamento. O casamento não é um contrato para tornar aceitáveis as relações sexuais. Não é simplesmente uma instituição social para prover o cuidado dos filhos. É mais do que uma

clínica psicológica na qual obtemos o apoio emocional de que precisamos. É mais do que um meio de alcançar posição social ou segurança econômica. O propósito supremo do casamento não é alcançado nem mesmo quando ele é um veículo para o amor e o

companheirismo, por mais valiosos que sejam.

O propósito supremo do casamento é a união de dois indivíduos no nível mais profundo possível e em todas as áreas, o que, por sua vez, proporciona o maior sentimento de realização ao casal e, ao mesmo tempo, serve melhor aos propósitos de Deus para a vida

deles.

 

O que significa ser “um”?

É claro que só o fato de casar não garante a unidade de um casal. Há uma diferença entre “os dois serem unidos” e “os dois serem um”. Um velho pregador do interior costumava dizer: “Quando você amarra dois gatos pelo rabo e os pendura na cerca, conseguiu uni-los, mas a

unidade é uma coisa bem diferente”.

O melhor exemplo bíblico deste tipo de unidade talvez seja o próprio Deus. É interessante que a palavra usada para “um” em Gênesis 2:24, onde Deus diz: “Por essa razão, o homem deixará pai e mãe e se unirá à sua mulher, e eles se tornarão uma só carne” (itálico acrescentado), é o mesmo termo hebraico empregado para o próprio Deus em Deuteronômio 6:4, onde lemos: “Ouça, ó Israel: o SENHOR, o nosso Deus, é o único SENHOR” (itálico acrescentado).

A palavra “único” fala de uma unidade composta, em oposição à unidade absoluta. As Escrituras revelam Deus como Pai, Filho e Espírito, embora um só. Não temos três deuses, mas um Deus, trino em sua natureza. As ilustrações da Trindade são muitas, e todas

falham em algum ponto, mas vou usar uma bastante comum para ilustrar algumas das implicações desta unidade.

O triângulo pode ser colocado em qualquer posição e os nomes Pai, Filho e Espírito Santo podem ser movidos para qualquer posição. Não faz diferença, pois Deus é um. O que não podemos fazer é apagar um lado ou remover um dos nomes. Tudo deve ficar junto.

Deus é trino, Deus é um. Não podemos compreender plenamente esta declaração; mesmo assim, devemos falar de Deus desta maneira, porque foi assim que ele se revelou. Não saberíamos que Deus é trino se ele não tivesse se revelado dessa forma. Não poderíamos

saber que Deus é uma unidade não fosse o fato de ele ter revelado a si mesmo como tal.

Deus é unidade. Por outro lado, Deus é diversidade. Não podemos afirmar que não há distinções entre a Trindade. Em termos estritos, o Espírito Santo não morreu por nós na cruz. Essa foi uma obra do Filho. Como cristãos, não é o Pai que habita em nós, mas o Espírito. Os membros da Trindade possuem papéis diversos, e ainda assim há unidade. É inconcebível que os membros da Trindade viessem a operar como entidades separadas. A partir de Gênesis 1:26, onde Deus disse: “Façamos o homem à nossa imagem” (itálico acrescentado),


até Apocalipse 22:16-21, descobrimos a Trindade operando em conjunto como uma unidade composta.

Pai

Filho                     Espírito Santo

 

 

Quais são as implicações desta unidade divina no casamento? Eis um segundo triângulo:

Desta vez, o triângulo não pode ser inclinado para apoiar-se em outro lado. Deus deve permanecer no vértice de um casamento cristão. Podemos, porém, mudar a posição dos nomes marido e mulher, pois eles devem ser um. Em nossa era individualista, “unidade” não é um conceito dos mais cultivados. Todavia, a unidade conjugal não erradica a personalidade.

Pelo contrário, ela liberta as pessoas para expressarem sua própria diversidade e, ao mesmo tempo, experimentarem completa unidade com seu parceiro. Você é livre para ser tudo o que Deus pretende que seja, mesmo experimentando tudo o que Deus pretendeu quando uniu você no casamento. Nenhuma verdade poderia ser mais libertadora e satisfatória.

Quer estejam apenas começando sua nova vida como marido e mulher, quer sejam casados há muito tempo, se estão pavimentando o seu caminho em meio a desafios, espero que tenham o alvo do casamento claro na mente: unidade no sentido mais profundo possível

em todas as áreas da vida. Isto pode ser apenas um sonho para você, mas se tiver disposição para trabalhar nele, pode torná-lo realidade. Você pode imaginar como seria obter um diploma em Unidade Intelectual? Unidade Social? Unidade Espiritual? Unidade Física?

Não desista. É possível que esteja à beira de uma nova descoberta.

Deus


Marido                        Mulher

 

“Acontece que meu marido não está disposto a trabalhar comigo”, você pode retrucar. “Não posso fazer tudo sozinha.” É verdade, mas você pode fazer alguma coisa por conta própria. E essa alguma coisa pode ser usada por Deus para estimular a mudança em seu cônjuge.

 

Agora é com você

 

1. Examine bem o seu casamento. Devemos reconhecer as fraquezas antes de começar a aperfeiçoar essas áreas. Em uma folha separada, faça quatro colunas paralelas

com os seguintes títulos: Intelectual — Social — Físico — Espiritual.

Sob cada título, liste as características que acha que tem em comum com seu cônjuge. Em que área sua unidade é mais fraca? O que você poderia fazer para estimular o crescimento nessa área? O que você vai fazer a respeito?

2. Sugira que seu parceiro leia o capítulo, faça uma lista similar e responda às questões acima. Quando vocês dois estiverem se sentindo bem e abertos para o crescimento

pessoal, compartilhem os resultados e concordem sobre as atitudes que aumentarão a sua unidade. Concentrem-se em uma área de cada vez.

 

Extraído do livro “O casamento que você sempre quis”, de Gary Chapman. Editora Mundo Cristão.

O papel da mulher no casamento

Deus criou o homem e a mulher no mesmo dia (Genesis 1:26-27), eles tinham o mesmo valor gracioso, mas cada um tinha um papel bem como um lugar específico. Deus colocou o homem na posição de cabeça, de chefe da família e a mulher em posição de assistência, de suporte para seu marido.

No casal, a mulher é chamada para ser submissa a seu esposo assim como ela é ao Senhor ( Efésios 5:22). A palavra submissão geralmente é pobremente usada e entendida. Na verdade, ser submissa, é estar debaixo da cobertura, proteção, responsabilidade de nossos maridos concernente a realização da missão que Deus confiou a eles. Nesta relação, a mulher não é pisada ou atropelada, bem pelo contrário, ela mantém sua identidade e todo o seu valor diante de Deus. O homem é o chefe da família, submisso ao Senhor, alimenta, protege e cobre sua esposa e filhos. A mulher tem do seu lado a assistência, o suporte, encorajando-o através do respeito e honra que tem por seu marido (Colossenses 3:23)

Cuide de seu marido

Você pode ajudar seu marido enquanto cuida dele, enquanto prepara seus pratos preferidos, enquanto presta atenção às suas ligações, suas roupas, enquanto lhe mostra seu amor através de palavras doces e atitudes notáveis enquanto tem relações íntimas.

Para ajudar, você é a primeira interessada em seu marido, por isso tenha um tempo pessoal para orar por ele e tenha também momentos de oração como casal.

Seja sua confidente e uma mulher de paz

Você pode ajudar seu marido enquanto se torna sua melhor amiga, sua confidente, sendo fácil ele confiar em você. Pode ajudar seu marido ao apoiá-lo quando ele passa por momentos difíceis, ao ouvi-lo sem tentar fazer comentários nos espaços,  ao lhe trazer palavras de incentivo, ao lembrá-lo de suas vitórias anteriores, que lhe dão força e energia para melhor enfrentar as presentes situações, enquanto frisa como ele é capaz de encarar os novos desafios.

Uma mulher deve buscar por paz em cada momento com seu marido, ela deve conversar com ele docemente e ter palavras amáveis de modo que os “relatórios” entre os dois sempre sejam bons e que o clima de casa seja sempre tranqüilo (Romanos 12:18; Romanos 14:19; 1 Pedro 3:10-11).

Não hesite em dar o primeiro passo

Em caso de discussão, coisa que acontece, não hesite em dar o primeiro passo. Isso geralmente é rotulado como uma atitude de fraqueza, quando, na verdade, é uma atitude de magnitude e amor. Deus não hesitou em fazer isso com Adão: Depois de pecarem, Eva e ele se esconderam de Deus, que sabe e que vê todas as coisas, e que sabia, entretanto, exatamente o que eles haviam feito e onde tinham se escondido. Deus deu o primeiro passo indo na direção deles e chamando por Adão (a pessoa responsável pelo casal). Se Deus fez isso, quanto mais nós devemos fazer um com o outro. Ao agir assim, você não somente traz a paz de volta, mas fecha a porta para os planos de divisão do inimigo, e fará que o seu esposo seja tocado por essa atitude e tente ser como você.

Não seja como estas mulheres que gostam de discussões, pelo contrário, fuja e busque antes por paz para as discussões que fazem os homens fugirem (Provérbios 25:24; Provérbios 21:19).

O casamento e as estações

Passos para evitar o outono e o inverno no casamento

Adaptado da pregação do PR. Elienos

Cada estação do ano nos traz sensações diferentes: o verão traz calo que, embora às vezes desconfortável, é a melhor época para curtir praia e piscina, e ambos sempre nos dão muito prazer e alegria. A primavera traz o doce perfume das flores e também a beleza delas. O outono já começa a dar uma sensação de tristeza, começa a ficar um pouco mais frio e as folhas das árvores vão secando e ficando feias. Enfim, o inverno traz frio e às vezes muito frio.

O casamento pode ser comparado, muitas vezes, às estações do ano. E é muito importante que nosso casamento não caia no outono e no inverno. Todos os casamentos tem suas desavenças, é claro, mas não podemos perder o perfume, a beleza e o calor que há. Neste artigo, o Pr. Elienos nos ajuda ensinando alguns passos para evitarmos o outono e o inverno em nosso relacionamento.

1 – Fuja do Pecado – Provérbios 5:2-5

Não importa o passado, o que você já fez, o que importa agora é fugir do pecado daqui para frente. Feche todas as portas para a tentação: Internet, pornografia, adultério, mentiras. Essas coisas só vão trazer frieza para o seu relacionamento, além de fazê-lo perder a beleza e o perfume. Se você não fugir do pecado você irá entristecer em primeiro lugar a Deus e depois ao seu cônjuge.

2 – Reafirme seu compromisso todos os dias

Seu casamento é o seu compromisso. Seu compromisso é fazer seu cônjuge feliz. Vocês precisam ter o compromisso de ficar juntos, de amar, de crescer como pessoas, e de um casamento exclusivo e para toda a vida.

3 – Resolva as falhas do passado

Às vezes o casal está bem e de repente surge uma discussão, e com ela vem muitas mágoas do passado. Resolva as falhas. Não deixe o Diabo ficar usando coisas lá de trás para perturbar seu casamento. Pv. 10:12.

Para isso é preciso 3 pequenos passos:

– Identifique as falhas do passado. Faça isso conversando com seu cônjuge.

– Confesse e se arrependa. Peça perdão e perdoe.

– Perdoe! Perdoe e ore com seu cônjuge.

Mas cuidado! Não faça disso uma caça às bruxas.

4 – Ouça com empatia – Provérbios 18:3

Dizem que a mulher fala 25 mil palavras por dia e o homem 10 mil. Por isso é preciso um acordo: Os dois tem que conversar e ouvir.

Geralmente as mulheres gostam de falar e o marido precisa aprender a ouvir e tentar entender a esposa. Por outro lado, a mulher precisa entender que o homem não tem necessidade de conversar o tempo todo, e que gosta de um pouco de silêncio. Um precisa entender o outro. Não adiante querer conversar com seu marido na hora do jogo de futebol.

5 – Respeite os limites do seu cônjuge

Às vezes a esposa está cansada e não pode falar “não” para o marido que quer sexo. Por fim ela acaba tem seu limite desrespeitado. Acostumamos-nos um com o outro e acabamos por ignorar os limites de cada um.

6 – Exerça o poder da honra

Honrem um ao outro. A esposa precisa honrar o marido. Um homem se sente feliz quando é honrado por sua esposa onde quer que for, mas o marido também precisa honrá-la.

7 – Confiem em Deus de todo o coração

Um casal que coloca toda sua confiança em Deus tem muito mais facilidade de se mante no verão e na primavera. Quando Deus está em primeiro lugar e quando o casal reconhece que Deus é que os sustenta é muito mais fácil lidar com as dificuldades financeiras e de relacionamento. Um casamento alicerçado em Deus e em Sua Palavra dificilmente vai cair na frieza e na falta de beleza que o outono e o inverno trazem.

Família Feliz – Como Conquistá-la?

Conquistamos uma família quando aprendemos a sonhar corretamente de acordo com a vontade de Deus para nossa vida e família. Tudo na vida de um líder começa a existir a partir de um sonho, de uma visão que lhe impulsione a atingir todas as suas metas, que precisam estar bem traçadas.
“Bem-aventurado todo aquele que teme ao Senhor e anda nos seus caminhos! Do trabalho das tuas mãos comerás, feliz serás, e tudo te irá bem. Tua esposa, no interior de tua casa, será como a videira frutífera; teus filhos como plantas de oliveira, ao redor da tua mesa. Eis como será abençoado o homem que teme ao Senhor. De Sião o Senhor te abençoará; verás a prosperidade de Jerusalém por todos os dias da tua vida, e verás os filhos de teus filhos. A paz seja sobre Israel”. (Salmo 128)

Esse salmo tão bem escrito por Davi, nos dá um perfil de uma família feliz. Desde o princípio o desejo do coração de Deus é que seus filhos tenham famílias estruturadas e felizes.

Toda família que teme ao Senhor colhe os frutos de sua obediência: um bom casamento e uma família ajustada. Essas são as maiores bênçãos da vida, muito mais que bens materiais.

Quando um casal entra em aliança, na maioria das vezes ele espera ser feliz, como um interesse próprio. Porém, a Bíblia nos ensina como um princípio que é dando que se recebe. Então, a mentalidade precisa ser mudada e ao entrar em aliança o maior desejo do coração do cônjuge deve ser fazer o outro feliz, quando isso acontece a recíproca torna-se algo natural. Quando fazemos o outro feliz a conseqüência e sermos felizes.

Cada postura nossa dentro do relacionamento deve ser para frustrar os planos do diabo e engrandecer a vida familiar.

Somos o modelo para os casais que estão em busca de transformação no seu lar.

No casamento, temos que ser como José, sonhar e interpretar nossos sonhos para vê-los acontecer, não podemos nos dar por vencidos enquanto não vermos nossa família usufruindo de tudo o que Deus tem para ela. José, apesar de ter enfrentado tantas lutas, jamais abriu mão de seu sonho, ele foi indesístivel, é assim que precisamos ser.

Quando alcançamos uma família feliz, temos unção para resgatar casais, a partir da nossa casa, que é a base do trono de Deus.

O casal que sonha ver o cônjuge feliz prospera.

Mas, para alcançarmos essa plenitude é necessário fecharmos algumas brechas e guardamos algumas portas. Satanás tem trabalhado para destruir as famílias, mas Deus quer nos ensinar a rota da felicidade.

Vejamos algumas brechas que podem ser fechadas se guardarmos as portas de entrada:

Olhos – temos que guardar os nossos olhos, pois o que vemos pode ou não determinar se teremos uma família feliz. Muitas vezes colocamos nossos olhos em coisas que não agradam o coração de Deus por serem prejudiciais para nossas vidas e famílias.

Tudo o que vemos e olhamos vai direto para a alma.

Quantas vezes perdemos tempo em frente à TV e não investimos nem um tempinho que seja para meditarmos na Palavra que tem as fontes de verdade que podem transformar as nossas casas.

Pv 4:25 Dirijam-se os teus olhos para a frente, e olhem as tuas pálpebras diretamente diante de ti. O que você tem olhado?

Dt 6:8 Também as atarás por sinal na tua mão e te serão por frontais entre os teus olhos; Onde você tem colocado os seus olhos?

Sl 119:37 Desvia os meus olhos de contemplarem a vaidade, e vivifica-me no teu caminho.

Como você tem olhado a sua vida e família?
Todas às vezes que colocamos nossos olhos no que não convém, desviamos nossa visão do foco correto.

Muitas vezes olhamos para algumas situações na nossa casa e não sabemos nem o que pensar, mas Deus quer nos ensinar a olhar para as situações com a visão da águia, para que vejamos não as situações como se apresentam, mas como serão de acordo com a vontade de Deus.

Mt 5:8 Eu, porém, vos digo que todo aquele que [olhar] para uma mulher para a cobiçar, já em seu coração cometeu adultério com ela. Quando você olha para o que não é seu você está pecando.

Desvie seus olhos do mal e não se permita ser tentado. Se você abre brecha para que a tentação entre é como mexer com fogo, você será queimado.
Guarde seus olhos. Eles são para você olhar na direção do trono de Deus e receber todas as estratégias para sua família.
Boca – a Bíblia diz que falamos do que o coração está cheio.

Há pessoas que estão sempre comentando sobre coisas fúteis, mas nunca falam sobre assuntos que possam verdadeiramente edificar. Somos advertidos sobre isso em várias passagens da Bíblia como em Efésios 4:29; 5:4 “Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, mas só a que seja boa para a necessária edificação, a fim de que ministre graça aos que a ouvem. Nem baixeza, nem conversa tola, nem gracejos indecentes, coisas essas que não convêm; mas antes ações de graças.

Quantas pessoas não sabem falar e calar na hora certa. Dentro do relacionamento conjugal as piores brigas acontecem porque não sabemos controlar a nossa boca.

Precisamos pedir a Deus para que Ele nos ensine a guardar os nossos lábios “Põe, ó Senhor, uma guarda à minha boca; vigia a porta dos meus lábios! (Sl 141:3)

Pv 4:24 Desvia de ti a malignidade da boca, e alonga de ti a perversidade dos lábios.

Nossa boca foi criada por Deus como um instrumento para profetizar as Suas bênçãos. Na hora da raiva se você tiver vontade de falar, louve.

Fale bem da sua família, do seu cônjuge e de seus filhos.
Ouvido – o que temos escutado pode nos contaminar ou nos abençoar. Não fomos chamados para ouvir qualquer coisa. Nossos ouvidos precisam estar sensíveis a voz do Espírito Santo, pois assim não cometeremos erros.
A fé vem pelo ouvir e ouvir a Palavra de Deus. Não fomos chamados para ouvir relatórios de catástrofe. Fomos chamados para ouvir as estratégias do coração de Deus, para nossas famílias.

Não devemos dar ouvidos à conversas que possam comprometer nossos sentimentos em relação à família. Inclusive cuidado com os conselhos que você tem ouvido acerca de sua casa. Eles podem te ajudar ou te prejudicar. Alguns cônjuges por darem ouvido a quem não deviam acabam entrando em verdadeiras enrascadas e acabam ouvindo ofensas que só desgastam o relacionamento quando deveriam estar ouvindo o quanto são importantes e amados. Quantos cônjuges estão carentes de ouvirem uma palavra de amor.
Pés – onde temos plantado nossos pés. A Palavra de Deus diz que os pés que anunciam as boas novas são formosos.

Sl 25:15 … pois ele tirará do laço os meus pés. Se você estiver envolvido por um laço há uma promessa de Deus de livramento sobre a sua vida se você decidir estar fechando as brechas e guardando as portas de entrada.

Como casal precisamos ter nossos pés plantados na casa do Senhor.
Querido casal, talvez você tenha passado por tantas lutas e tenha esfriado nos sonhos de Deus para sua família. Mas, não desista, apegue-se na Palavra de Deus que tem promessas para sua vida e toda a sua casa.

Isaías 30:21 que diz: “quando te desviares para a direita e quando te desviares para a esquerda, os teus ouvidos ouvirão atrás de ti uma palavra, dizendo: Este é o caminho, andai nele;

É tempo de conquistarmos e mantermos uma família feliz!

Pra. Cláudia Ayub – MIR

Expectativas conjugais

“Esperava algo bem diferente do nosso casamento!”

Jaime Kemp

Expectativas irreais no casamento podem transformar a fase pós lua-de-mel em lua-de-fel. É preciso aprender a colocar os pés no chão e caminhar juntos

Depois da fase do encantamento, são muitos os recém-casados que entram na fase da desilusão. O cotidiano, as contas, os hábitos de um que passam a irritar o outro, reações inesperadas, atitudes secas, silêncio, e muitas outras facetas vão sendo reveladas e nem sempre são tão agradáveis quanto eram no tempo de namoro.

 

Frases soltas vão revelando descontentamento e frustração:

 

–         “Você está ficando igualzinho ao seu pai!”

 

–         “Quando a gente namorava tudo ia às mil maravilhas, mas agora…”

 

–         “Eu tinha uma certa imagem do nosso relacionamento, mas a realidade está sendo bem outra…”

 

–         “Você é que nem sua mãe! Não pára de reclamar um instante!”

 

Todas as pessoas entram para o casamento com algumas expectativas. Isso é normal. Porém, o que ocorre é que, geralmente, muitas delas são irreais. Elas se originam de heranças e valores familiares, conversas, livros, idéias próprias e também da sociedade e seus meios de comunicação. Além disso, por trazermos nossa natureza pecaminosa para o casamento, acabamos piorando as reações de frustração perante as expectativas não atingidas.

 

No transcorrer do percurso a dois, o tempo também é um fator importante para revelar quais expectativas serão satisfeitas. Por “n” motivos, planos podem ser adiados, mas realizados; emoções podem levar mais tempo para se estabilizar, mas se equilibram; tratamentos podem se estender mais do que o esperado, mas surtem efeito. Por outro lado, o tempo também nos ensina, ou nos permite buscar orientação para lidar com o sentimento resultante daquelas expectativas não atingidas.

 

Ao dar meu curso pré-nupcial para noivos procuro saber, de cada um, as expectativas que estão levando para o casamento. Diante de uma conversa honesta e sincera tentamos ver quais são e quais não são realistas e assim amenizar futuras frustrações.

 

Casar com expectativas irreais e não ter os “pés no chão” por certo trará desilusões, especialmente nos primeiros anos do casamento. Sem perceber, o cônjuge que possui expectativas não comunicadas, baseia sua aceitação do outro na performance por ele apresentada. Se um cônjuge age como o outro espera, ele é aceito. Caso contrário, haverá frustração e briga. A performance se torna a “cola” que segura o relacionamento. Porém, com o tempo, essa “cola” começa a se desgastar, desgrudar, especialmente quando surgem as pressões, tensões e estresse da vida.

 

Outra atitude equivocada é o tratamento baseado no “merecer”: se um cônjuge fez o que o outro esperava, então “merece” receber carinho e atenção. Porém, se não consegue “merecer”, por não atender as expectativas, o amor, em suas várias formas de manifestação, é negado.

 

Esse modo superficial de relacionamento acaba minando o interior do casal. Um se esforça para atingir e não consegue, e o outro por não vê-las atingidas se desestimula.

 

Há ainda outro caso: quando as expectativas não são verbalizadas, o cônjuge que as desconhece age normalmente, não sabendo que aos olhos de seu parceiro, está cada vez “perdendo mais pontos”!

 

Assim não dá mesmo! O amor incondicional precisa permear nossos relacionamentos conjugais. Todos nós, seres humanos, vamos falhar, pecar e nem sempre vamos “merecer” as recompensas de nossos cônjuges.

 

Deixe-me tentar mostrar, na prática, o perigo de ter expectativas irreais no relacionamento conjugal. Vamos ver algumas das mais comuns, apresentadas por noivos cristãos:

 

1.            Se eu me casar com uma pessoa cristã, meu casamento estará sempre seguro e feliz!

 

A Bíblia realmente ensina que o cristão não deve se colocar em jugo desigual com um não cristão. Entretanto, é um erro pensar que o fato de ambos serem cristãos garantirá que o casamento será um “mar de rosas”. Precisamos compreender que além deste pré requisito principal, existem outros fatores importantes a serem considerados. Entender as diferenças de personalidade, de valores, de interesses, os pontos fracos e fortes da outra pessoa são alguns deles.

 

2.            Em nosso casamento não haverá discórdias e brigas como aconteceu com meus pais!

 

A verdade é que, mais cedo ou mais tarde, mesmo que o casal tenha um bom nível espiritual, alguma briga certamente ocorrerá. Em todo casamento sempre haverá diferenças de opinião, de sentimentos e de idéias. Em geral, esses desentendimentos acontecem porque cada parte interpretou reações e ações conforme experiências e costumes vindos da educação recebida e de conceitos adquiridos. Os conflitos, de forma geral, não são negativos e podem até ser construtivos. Fazem parte de uma relação profunda e o importante é lidar com eles da maneira correta. Este é um dos processos para se alcançar maturidade e aprofundar o relacionamento. E aí, surge a inevitável pergunta:

 

–                     Mas qual é, então, a maneira correta para se lidar com eles?

 

–                     Creio que cada casal encontrará seu caminho mas o importante é saber que conflitos podem ser resolvidos. De regra geral, honestidade, sensibilidade, respeito e educação, são elementos importantes para tratá-los de forma a machucar o menos possível. Haverá, inclusive, casos em que será necessário ajuda profissional. (Só um lembrete: não esquecer de orar pedindo a orientação de Deus, principalmente quando tivermos situações delicadas a resolver!).

 

3.            Ele vai liderar o culto doméstico todos os dias! 

 

O conceito de uma esposa sobre o “líder espiritual” pode ser bem diferente do conceito do marido. Há pouco tempo, uma senhora me disse o seguinte:

 

– Antes da gente se casar, líamos a Bíblia e orávamos juntos. Era como meu pai fazia em casa, mas agora…”

 

A Bíblia diz que o marido deve ser o líder espiritual em seu lar. Isso é uma verdade. Partindo daí, uma esposa pode entender que um bom líder espiritual é aquele que faz cultos domésticos todos os dias. No entanto, o conceito de seu marido sobre liderança espiritual pode não ser esse. Neste caso, as expectativas dessa esposa serão frustradas.

 

 

  1. Ela será como a minha mãe – uma mulher virtuosa!

 

Certamente ser como a mulher virtuosa descrita em Provérbios 31.10-31 é um lindo alvo para toda mulher. O ser virtuosa, porém, é um conceito amplo com várias facetas. Se o marido ficar exigindo da esposa sua versão de virtude, a qual é diferente da dela, frustração e desânimo poderão tomar conta de ambos.

 

O marido não deve esperar que sua jovem esposa cozinhe “como a mamãe”. Como será possível concorrer com alguém que tem 20 ou 30 anos de experiência?

 

Em meio a tantas particularidades há algumas expectativas, praticamente comuns a todos que se casam:

 

1. Permanecer casados “até que a morte os separe”. Mesmo aqueles que pensam “se não der certo a gente se separa”, acalentam em seus corações o sonho do casamento para o resto da vida, o qual é um propósito bíblico maravilhoso. O divórcio não faz parte do plano inicial de Deus para o ser humano e foi uma concessão feita devido à dureza do coração: “ ‘Eu odeio o divórcio’, diz o Senhor, o Deus de Israel…” (Malaquias 2.16 e Mateus 19.8).

 

2. Permanecer fiéis. Ao contrário do que muitos pensam, a fidelidade não implica somente em lealdade sexual mas abrange muitas áreas. Por exemplo, há cônjuges que são infiéis através do trabalho, ou seja, se envolvem tanto com a profissão, que acabam se esquecendo da família e se “casando” com a carreira. Outros são infiéis por não conseguirem cortar o “cordão umbilical”, não “deixando” pai e mãe (Gênesis 2.24). Há também os que são infiéis por darem maior atenção e afeto a bens materiais, ao ministério etc, etc.

 

3. Ter um relacionamento harmonioso. É o sonho de todo casal, passar as fases da vida sem muitos desajustes e discórdias. E mesmo em meio a conflitos naturais de uma vida em comum, há muitos atingindo essas expectativas

 

Amigos, não quero ser simplista e dizer que a vida de casado é fácil, pois isso é mentira. Porém, quaisquer pessoas que morem juntas terão que cuidar de seu relacionamento e trabalhar em prol de um bom convívio. Por que, então, não direcionar nossa criatividade, dedicação e tempo para tornar mais compensadora nossa vida ao lado da pessoa com quem nos casamos?

 

Normalmente, os casamentos passam por três fases até chegar a um ajustamento. Se conseguirmos identificá-las será mais fácil trabalhar nelas de forma consciente, lidando com as expectativas, estejam elas sendo atingidas, ou não. São elas: encantamento, desilusão e maturidade.

 

Querido leitor, em qual destas três fases você se encontra?

 

Marido, esposa reflitam sobre o momento de vida que atravessam e dêem sugestões, como pessoas e como casal, de como superá-la, ou cultivá-la. A Bíblia contém inúmeras orientações para ajudar e direcionar nossos relacionamentos. Leia o livro de Efésios, por exemplo, e depois compartilhem seus pontos de vista e orem pedindo a Deus ajuda para implementá-los.

 

Minha expectativa (real) ao escrever este artigo é que vocês, queridos amigos, saibam que não estão sozinhos e que há esperança para seu casamento!

 

 

 

Jaime Kemp é doutor em ministério familiar e diretor da Sociedade Religiosa Lar Cristão. Foi missionário da Sepal por 31 anos e fundador da missão Vencedores por Cristo. É palestrante internacional e autor de 39 livros. Casado com Judith, é pai de três filhas e avô de dois meninos.

 

 

 

Sugestão de leitura: Conversando a gente se entende! Jaime Kemp – Editora Sepal.

 

Adquira seu livro em nossa loja virtual – www.larcristao.com.br

Diferenças Entre Homem e Mulher

Dr. Silmar Coelho

Existe uma enorme diferença entre o homem e a mulher. O contínuo reconhecimento e aprendizado destas diferenças ajudam o casal a descobrir novas maneiras de melhorar o relacionamento. Entender estas diferenças resolve muitas frustrações causadas pelo desconhecimento do sexo oposto. Os desentendimentos poderão ser evitados. Não somente o homem e a mulher comunicam-se diferentemente, mas eles pensam, sentem, percebem, reagem, respondem, amam, necessitam, e apreciam diferentemente. Parece até que eles falam línguas diferentes.
O homem é um ser racional e a mulher um ser emocional. Isto não significa dizer que as mulheres são menos inteligentes do que os homens; apenas que os homens pensam e agem diferente. Está provado que elas são tão inteligentes ou mais que os homens. Da mesma forma, não quer dizer que os homens são seres sem emoções. O homem é um ser emocional tanto quanto a mulher, mas, na maioria das vezes, é a razão quem guia suas atitudes. Logo, a mulher é um ser racional tanto quanto o homem, mas na maioria das vezes, permite que as emoções a controlem. Veja alguns exemplos:

O bebê de dois meses chora intensamente por três dias; cólicas terríveis fazem o coitadinho se contorcer de dor. A mãe, desesperada, anda pra lá e pra cá, balançando a criança; ela já tentou de tudo, mas nada parece surtir efeito. O pai dorme o sono dos justos. A mulher não consegue entender como o marido pode dormir desta maneira; chateada, ela diz para si mesma: “ele não me ama, nem liga para o filho; como pode roncar tão profundamente e me deixar sozinha com o menino?”

Neste caso, a atitude do homem nada tem a ver com amor. Ele simplesmente racionalizou a questão. “Minha mulher está cuidando da criança; ela sabe cuidar muito melhor do que eu; não há nada que eu possa fazer para ajudar; ela já está acordada e eu tenho que levantar cedo; portanto, vou descansar! Qualquer coisa que acontecer, ela vai me chamar”.

Suponha que aconteça diferente. O homem, penalizado, se oferece para ficar com o neném. Diz ele, “já faz duas noites que você não dorme; querida, nesta noite eu fico com o Juninho”. A esposa concorda duvidosa, deita remexendo-se na cama. Sem conciliar o sono, pois não consegue ficar tranqüila com o choro da criança, nem confiar nos cuidados do marido; pensa consigo mesma: “Coitadinho do João, lá sozinho com o bebê, vou lhe fazer companhia”.João, no mesmo instante que a vê, lhe entrega o Juninho aliviado, corre para a cama e dorme como uma criança. Novamente, as atitudes neste caso nada têm a ver com amor ou irresponsabilidade; simplesmente o homem e a mulher são diferentes.

Uma outra diferença é quanto ao estímulo sexual. O homem é estimulado principalmente pela vista. Apenas um olhar é suficiente para que tudo comece a acontecer. Basta ver a esposa trocar de roupa para que os estímulos sexuais o coloquem em estado de alerta. Mesmo que o homem nem esteja pensando em sexo, uma rápida olhada, um pequeno gesto ou um pequeno descuido da mulher ao sentar-se, já basta para excitá-lo. Como a terra nunca se farta de água, o fogo nunca se farta de queimar e a morte que nunca se farta de matar, assim são os olhos de um homem que nunca se fartam de olhar. Enquanto o olhar é o principal “gatilho” iniciador do processo sexual no homem, a mulher é estimulada por várias maneiras.

Primeiramente, ela é estimulada pelo tato. Ela precisa ser tocada e acariciada para que o processo de excitação sexual se inicie; para ela não basta ver. O homem deve, então, descobrir as partes erógenas da mulher, que são as áreas do corpo mais sensíveis ao toque e ao prazer. A nuca, o joelho, as áreas em torno das axilas, as coxas, as orelhas, a ponta dos dedos, o pescoço, o umbigo, o clitóris, os cabelos, os seios, são alguns exemplos destas áreas. Os Cânticos de Salomão descrevem com clareza e poesia estas áreas.

Além do tato, a mulher é estimulada pelo ouvir: uma palavra de carinho faz com que a mulher comece a pensar na possibilidade da relação sexual e aciona o processo de excitamento. Existem algumas frases que a mulher jamais se cansa de ouvir: “Você está linda! Esta roupa ótima em você! Seu cabelo desse jeito me deixa doidão! Eu te amo!” Ela é movida por elogios. Pelo ouvir, o processo que a levará à entrega e à relação sexual se inicia. Do mesmo modo, palavras e frases agressivas devem ser abandonadas no relacionamento a dois. “A pior coisa que fiz foi casar com você! Maldita hora em que me casei! Você é igualzinha à sua mãe!“ Frases como estas, agridem e criam barreiras, muitas vezes, intransponíveis.

O olfato é outro sentido que deve ser levado em consideração no estímulo sexual. O discreto perfume do marido excita a mulher e a leva ao desejo. Negativamente, o fartum, ou popularmente conhecido “mau hálito”, o “cecê”, odor mal cheiroso provocado pelas axilas, e o “chulé”, são bloqueadores e inibidores de uma vida sexual plena.

Outro importante fator no estímulo sexual é o meio ambiente. O homem, na maioria das vezes, não se importa quanto ao lugar ou hora. Ele quer e pronto. A mulher, por sua vez, é influenciada pelo meio ambiente: Luz de velas ou abajur, cortinas, flores, música, lençóis macios e limpos, barba feita e banho tomado, camisolas, pijamas e porta fechada são alguns fatores que influenciarão positivamente ou negativamente a mulher.

Como um ser emocional, a mulher é também estimulada pelas emoções. Para ela, não basta apenas receber um beijo interessado no fim do dia ou um elogio mecânico e programado. Ela precisa estar completamente bem emocionalmente para que a relação tenha a sua participação efetiva. As ansiedades provocadas pelos filhos, por um marido alheio e insensível, pela solidão do dia a dia dentro de casa e as pressões financeiras, criam barreiras emocionais terríveis na relação sexual. Depois de anos de opressão psicológica, abuso, silêncio, amargura e tirania, a frigidez pode tornar-se crônica.

O tempo também é um fator de diferenciamento entre homem e mulher. Para o homem, a relação se inicia imediatamente. O tempo é agora! Para a mulher, a relação que vai acontecer à noite se inicia pela manhã. A relação sexual da mulher não começa quando ela vai para a cama. Outro fator do tempo é que a mulher demora bem mais para chegar ao clímax sexual do que o homem. O homem precisa apenas de dois minutos, enquanto ela necessita de vinte a trinta minutos.

Na mulher, a preocupação ainda se manifesta de forma diferente. A mãe quer saber do bem estar dos filhos. Ao telefonar ou questionar ela diz: “Vocês estão bem, almoçaram direito ou comeram sanduíches; estão se cuidando, têm dinheiro?” O pai, por sua vez, não se preocupa se os filhos “estão bem”; sua preocupação é se os filhos estão prontos para a vida. “Vocês pagaram as contas, tiraram boas notas na escola, estão trabalhando ou dormindo o dia inteiro?” Estas, comumente, são as perguntas do pai, muito mais preocupado em fazer dos filhos “homens”, do que saber se eles estão se sentindo felizes.

Muitas são as diferenças entre homem e mulher; ao mencionar algumas delas, este livro tem como objetivo, abrir um novo rumo na importante arte do diálogo. Problemas podem ser evitados e resolvidos simplesmente conhecendo estas diferenças. Assim, cobranças serão abandonadas pelo entendimento das razões que fazem de cada pessoa agir como age. Na maioria das vezes, elas não são movidas pela desconsideração ou o desejo gratuito de ferir, mas sim pelas diferenças que existem em cada pessoa. O diálogo e compreensão dão início a um amor maduro, que cresce sobre sólidas e saudáveis bases. Como resultado acontece um profundo entendimento, que abrirá as portas para uma entrega sem reservas, experimentando a beleza, alegria e crescente felicidade do sexo sem pecado.

 

Cinco características dos votos conjugais

Revendo os votos que foram feitos no dia do casamento

Pr. Josué Gonçalves

“Prometo te amar na saúde e doença, na alegria e na tristeza, na prosperidade e na adversidade, em todas as circunstâncias, até que a morte nos separe”. Estes votos serão testados diariamente.

1 – Uma decisão voluntária. Você tinha a opção de permanecer solteira. Mesmo que a escolha tenha sido na base de pressão ou como uma válvula de escape de alguma situação, você é responsável pela decisão que tomou. Todas nós tínhamos a opção de escolher outro. Deus deu ao homem o direito de decidir. Lembre-se que ter um sócio implica em dependência, compromisso e prestação de contas. Nenhuma sociedade se firma sem estes princípios básicos.

2 – Uma proclamação pública. O que se diz diante de muitas testemunhas revela a seriedade dos votos que fizemos no dia do casamento. Duas pessoas conscientes da grandeza deste ato jamais o farão com leviandade.

3 – uma promessa incondicional. O que foi prometido dever ser cumprido até que a morte os separe. Segundo o que foi projetado por Deus, casamento não é um relacionamento descartável, é um compromisso que deve durar a vida inteira.

Quando Dietrich Bonhoeffer estava encerrado numa prisão nazista, escreveu um sermão para o casamento de uma sobrinha. Disse ele: “O casamento é maior do que o amor que vocês tem um pelo outro”. Ele tem em si grande dignidade e força por ser a ordenança santa através da qual Deus planejou a perpetuação da raça humana, até o fim dos tempos.

4 – Um propósito sério. Pessoas sérias cumprem suas promessas e votos. A falta de seriedade pode ser uma questão de caráter. Para enriquecer o casamento, é necessário compromisso perseverante e fé determinada – algo que talvez alguns casais jamais puderam observar nos lares de suas respectivas infâncias.

5 – Votos que obrigam. Ninguém é obrigado a votar, porém, depois que o fizeram, são obrigados a cumprir esses votos.

Extraído de familiaegraca.com.br