A Voz Também Envelhece

A Voz é a emoção sonorizada, drena o que sentimos e tem um papel fundamental na comunicação e no relacionamento humano.Ela nos revela, muitas vezes até mais do que gostaríamos. Representa nossa identidade, expressa nossa emoção, e permite nossa aproximação com o outro. Pode valorizar e enriquecer de emoção a palavra, ou da mesma forma, esvaziar seu conteúdo.

Mas a voz como qualquer parte do nosso corpo, também envelhece.

Presbifonia é o termo usado para se referir ao processo de envelhecimento vocal. Voz presbifônica é a voz considerada como típica do idoso. É a alteração vocal que ocorre devido às modificações hormonais e orgânicas trazidas pelo processo natural de envelhecimento.

Nem sempre a voz envelhece em conjunto com seu dono, muitas vezes apresenta-se envelhecida antes mesmo que hajam outros sinais físicos e externos, embora sua dinâmica seja intimamente ligada a condição física do homem , mostrando também , que em alguns casos, a voz permanece “jovem” e com bastante energia, principalmente naquelas pessoas  que a utilizam como instrumento cultural e de lazer.

A presbifonia pode manifestar-se de várias maneiras e trazer inúmeros sintomas ao idoso, sendo os mais comuns: rápido cansaço ou fadiga vocal, falhas e tremores na voz, redução na intensidade vocal e dor ao falar.

Além destes desconfortos, muitos idosos começam a se isolar e deixam de freqüentar reuniões sociais, para evitar situações em que tenham  que falar.

O processo de envelhecimento é inevitável, porém, existem recursos para reduzir suas manifestações ou adaptar o indivíduo para conviver da melhor maneira com essas características.

Podemos retardar os efeitos do envelhecimento sobre a voz, quando antes de seu estabelecimento, forem aplicadas ações e medidas preventivas como por exemplo: cuidados básicos com a voz, treino vocal, além de aprimorar a eficiência da voz na velhice ativa, permitindo ao idoso uma qualidade de vida integrativa e participativa na sociedade, adequando e harmonizando a fala, melhorando o controlepneumofonoarticulatório, a estabilidade e extensão vocal, além de aumentar a potência e a projeção da voz.

Os programas de prevenção, reabilitação ou aprimoramento vocal junto ao idoso, podem ser realizados individualmente ou em grupos. Lembrando que cada conduta levará em conta a queixa do idoso e suas limitações.

 

Por:

MARINEUSA MUNIZ

FONOAUDIÓLOGA

CRFMG 8357

Pós graduanda em Voz

E-mail: marimunizfono@hotmail.com

Referências bibliográficas:

In: Tratado de Fonoaudiologia.São Paulo: Roca, 2004, Capítulo 11.

Comunicação Oral. Bloch, Pedro.Rio de Janeiro: Revinter.

Monografia: Processo de Envelhecimento Vocal. Luiz Ferreira de Brito Filho, Cefac.

 

 

Lembrando que Deus está sempre conosco

VERSÍCULO:

Todavia, estou sempre contigo, tu me seguras pela minha mão direita. Tu me guias com o teu conselho e depois me recebes na glória. Quem mais tenho eu no céu? Não há outro em quem eu me compraza na terra. Ainda que a minha carne e o meu coração desfaleçam, Deus é a fortaleza do meu coração e a minha herança para sempre.

– Salmos 73:23-26

 

PARA MEDITAR:

Em tempos de confusão, tenhamos conforto sabendo que, mesmo que não entendamos tudo aqui na terra (leia Sl. 73:1-22), Deus será fiel.  Tudo que temos e sabemos aqui na terra é sujeito à deterioração. Mas nosso relacionamento com o SENHOR é nossa eterna força.
Ele não nos abandonará, falhará ou esquecerá.

 

ORAÇÃO:
Todo Poderoso Deus, obrigado por sempre estar comigo, especialmente naqueles momentos quando a vida é muito confusa e meus medos mais perturbadores.
Por favor, dê-me a fé para fazer perguntas honestas, mas, além disso, também confiar no Senhor, mesmo quando as coisas não parecem ser muito boas para os que acreditam no Senhor.  Por favor, ajude a minha fé a ser firme na minha espera por sua poderosa vindicação do seu povo.

No nome de Jesus eu oro.  Amém.

Dia dos namorados todos os dias

Nada melhor do que um presentinho, um jantar romântico e declarações de amor para deixar seu esposo ou esposa muito feliz. Mas é uma pena que muitos casais só lembram-se desses detalhes quando chega o dia dos namorados. E quando esse “dia” acaba muito do romantismo acaba também.

Quero compartilhar com você algumas dicas para que seus dias sejam eternos “Dia dos Namorados” e para deixar o romantismo sempre por perto.

1 – Tenha atitudes de amor

Sabemos que atitudes falam mais alto do que palavras. Quando você tem atitudes como dar preferência às escolhas do seu cônjuge ou quando você demonstra que verdadeiramente se importa com os seus sentimentos, isso se torna um “Eu te amo” em alto e bom tom.

2 – Tenha atitudes de carinho

Um abraço e um beijo pela manhã antes de sair para trabalhar podem mudar o dia inteiro. Não perca as oportunidades de pegar na mão, abraçar, tocar, beijar, acariciar. Está comprovado cientificamente que o ser humano precisa de carinho e afeto tanto quanto precisa de alimento.

3 – Verbalize gratidão

Sempre que puder agradeça seu cônjuge por lhe amar, cuidar de você e lhe apoiar. Agradeça quando ele ou ela fizer algo que você deveria ter feito, ou quando fizer algo que lhe beneficiou. Agradeça quando ele ou ela fizer algo rotineiro, assim você estará valorizando o trabalho, o esforço e a dedicação.

4 – Surpreenda

É muito fácil deixar que a rotina nos acomode ou torne os nossos dias mais monótonos. Por isso, fazer algo novo sempre surpreende e surpresas agradáveis sempre são bem vindas. Um jantar, um passeio, uma noite de sedução… Novidades sempre trazem a expectativa de que o amanhã será melhor.

Michelle Rocha.

6 dicas eficazes da Supernanny para educar seus filhos

Dê fim às brigas, ataques de birra e gritaria em casa. Cris Poli, a Supernanny, ensina suas técnicas infalíveis!

ESTABELEÇA LIMITES

Com paciência, explique aos pequenos quais são as regras que devem ser seguidas dentro e fora de casa. Quando a mãe estabelece que não se pode comer doces antes das refeições, deve-se tomar banho na hora certa e sentar-se à mesa para comer quando ela manda, a criança tende a fazer birra. Nesses momentos, não adianta impor sua vontade pela força. ‘Fale com autoridade e amor. Determinação não briga com afeto’, diz Cris Poli. Na hora de colocar os limites, é importante que você mantenha as regras até o fim. ‘Voltar atrás em uma decisão demonstra falha na autoridade. A criança ficará confusa diante de sua mudança de idéia.’

PRESERVE

Se você o mandou arrumar os brinquedos mas ele ainda não obedeceu, não desista e nem faça o dever dele. O ideal é insistir na regra umas três ou quatro vezes e repeti-la com paciência, dia após dia.

OLHE NOS OLHOS

Com isso, você firma a autoridade e capta. Se você se abaixa e olha nos olhos dela enquanto fala, ela não se distrai. Caso ela desvie o olhar, segure-a pelo rosto com carinho. Ao prestar atenção no que você diz, seu filho absorverá melhor a lição e mudará de atitude mais rápido.

PODE PUNIR SEM VIOLÊNCIA

Se depois de vários dias insistindo ele ainda não cumprir o combinado, pode puni-lo. Primeiro, avise-o da punição, caso ele continue desobediente — para permitir que a criança pense e mude de atitude. Depois, vem o castigo. Se ele não cumprir com as obrigações, pode proibir o videogame, a TV ou algo que ele adore. ‘Nunca use violência. Isso deixa marcas negativas na criança. Prefira a disciplina’, aconselha a educadora.

DÊ PRÊMIO

Além de estipular regras e castigos, também é importante conceder prêmios quando seu filho obedecer e acertar. Reconheça o esforço dele e incentive-o a continuar cumprindo as regras. Faça uma estrela num quadrinho pendurado na geladeira toda vez que ele tiver uma atitude positiva. No final de sete dias, que é o tempo ideal para recompensá-lo, ofereça um prêmio pela disciplina. Pode ser um brinquedo novo, um passeio ou guloseimas. Antes, combine com a própria criança quais os prêmios adequados.

COLOQUE ELE(A) PARA PENSAR NO QUE FEZ

Se o seu filho for pequeno (abaixo de 7 anos), crie o “cantinho da disciplina”. Vale qualquer local da casa, menos o quarto da criança. Nesse local, seu filho deverá permanecer e refletir sobre o que fez. Deixe que ele saia apenas quando reconhecer o erro e pedir desculpas.

Menos julgamento, mais amor

“Por isso te digo que os seus muitos pecados lhe são perdoados, porque muito amou; mas aquele a quem pouco é perdoado pouco ama.” (Lucas 7.47)

Sabe qual é o nosso problema? Sermos santos demais. Somos tão perfeitos e tão implacáveis que não admitimos erros de espécie nenhuma e em circunstância alguma. Estamos sempre prontos a julgar e avaliar as ações dos outros. “Como isso é possível?”, “A igreja não está como antigamente”, “O povo está mais preocupado com fama do que adoração”. Frases assim povoam as redes sociais. Jesus com toda sua santidade é mais acessível e mais misericordioso do que nós.

Tenho visto que as redes sociais nos últimos dias têm funcionado como espaço “quente” de debates. Polêmicas de diversas espécies têm feito todo tipo de cristãos apresentarem opiniões que no mínimo julgam ou condenam as ações dos outros. Só me pergunto se Jesus agiria assim? Se Ele é nossa inspiração, por que perdemos tempo falando da vida dos outros, lançando indiretas e frases que condenam as pessoas?

Se alguém perguntasse hoje sobre o que é ser cristão para um não crente, aposto que ele responderia: “É a pessoa que não pode isso, que condena isso, que não faz isso.” Precisamos ser conhecidos não pelo que “não” podemos fazer, mas pela graça e amor. Quando falamos de Jesus, do que você lembra? Que Ele morreu na cruz, que amou a todos, que teve perdão e misericórdia sobre pecadores. Precisamos ser lembrados da mesma maneira.

Não acho que devemos ser omissos, mas brigar com ímpios sobre a verdade de Cristo é loucura. Os ideais deles são loucura para nós e os nossos para eles. Aqueles que não nasceram de novo, não compreendem os nossos valores e princípios. Precisamos ensiná-los sobre o caminho que conduz a salvação e a amor de Jesus por eles e depois conduzi-los aos ensinamentos que devem obedecer.

Temos traçado caminhos contrários. Enquanto a igreja de Atos era perseguida, a atual persegue o mundo. O pecador não deixará de ser pecador, por saber que somos contrários aos erros deles, mas deixará de ser transgressor quando conhecer o amor de Jesus que o liberta de toda escravidão.

Seja misericordioso com o próximo, porque embora você se julgue “certinho”, os seus muitos pecados também foram perdoados.

Há poder no nome de Jesus

“Até agora vocês não pediram nada em meu nome. Peçam e receberão, para que a alegria de vocês seja completa.” (João 16.24)

Quando você e eu nos apresentamos perante o trono da graça de Deus pedindo em fé, segundo a Sua Palavra e em nome de Seu Filho Jesus Cristo, sabemos que teremos as petições que fizermos a Deus. Não porque somos perfeitos ou dignos por nosso próprio mérito ou porque Deus nos deva alguma coisa, mas porque ele nos ama e quer nos dar o que precisamos para fazer o trabalho que Ele nos chamou a realizar.

Há poder no nome de Jesus. O simples de fato mencioná-lo faz com que cada joelho, no Céu, na Terra, ou abaixo da Terra, tenha que se dobrar (ver Filipenses 2.10). Pelo poder deste nome, você e eu podemos impor as mãos nos doentes e eles sararão; podemos expulsar demônios e eles fugirão, e fazer todas as mesmas obras que Jesus fez e até maiores do que essas para a glória de Deus (ver Marcos 16.17-18 e João 14.12).

Jesus adquiriu uma herança gloriosa para nós ao derramar o Seu sangue. Agora somos herdeiros com Ele (ver Romanos 8.17). Tudo o que Ele adquiriu com o Seu sacrifício está nos céus, guardado para nós. E nós temos as chaves deste depósito: a oração.

Não temos que viver com medo e falta. Vamos começar a usar essas chaves e abrir as portas para que as bênçãos celestes caiam sobre nós abundantemente para a glória de Deus, para que a Sua vontade divina seja feita na Terra como no Céu, e para que a nossa alegria seja completa.

Deus cuida de Você

   "Lance sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós. 1 Pedro 5:7"

   Tantas vezes nossas preocupações pesam tanto porque recusamos colocá-los nas mãos de Deus.  Vamos lançar nossas ansiedades nas mãos de Deus.  Vamos colocar o nosso futuro nas mãos do Senhor. 
Vamos confiar as nossas preocupações aos cuidados dele.  Sabemos que Ele nos ama e quer nos sustentar e confortar por causa do que Ele fez para nos salvar.

ORAÇÃO:
   Santo Deus e amoroso Pai, estou colocando meus medos, preocupações, ansiedades e problemas nas suas mãos. Eu sei que tenho tão pouco poder para mudar o resultado desses eventos, e confio que o Senhor fará o que lhe agradará e o que será melhor para mim nestas situações.  Perdoe-me por meus pensamentos ansiosos e por deixar a minha preocupação se tornar um ídolo que rouba o Senhor da minha confiança total.  Fortaleça-me e capacite-me para confiar mais no Senhor através do seu poder e presença do seu Espírito. No nome de Jesus eu oro. Amém.

Relacionamentos Inadequados

NOSSAS AMIZADES: o livro de “Provérbios” foi escrito por Salomão e seu título significa “comparações”. Nele encontramos a diferença da vida e das escolhas dos sábios e dos tolos, dos justos e dos injustos, dos santos e dos impuros. Os dois caminhos estão à nossa frente, e a Bíblia, de maneira muito clara, nos adverte sobre onde iremos parar ao final de cada um deles. Devemos amar indistintamente todas as pessoas, mas devemos escolher com quem iremos andar. Quem serão os nossos amigos de fato.

Encontramos, nas Sagradas Escrituras, que o temor do Senhor e o bom ensino dos pais nos ajudam, dando sabedoria nas escolhas da vida (Pv 1.7-9). Esse texto nos fala sobre a escolha das amizades. Os apelos do mundo estão gritando por todos os lados, mas a escolha é nossa. O primeiro passo está na atração mundana (querem seduzir-te), em seguida nos convites (vem conosco…), e, finalmente, no arquitetar os projetos malignos (embosquemo-nos… lança a tua sorte entre nós…). A sábia Palavra de Deus nos orienta: […] “Não te ponhas a caminho com eles; guarda das suas veredas os teus pés” (v.15). Existem ciladas malignas atrás de amizades mundanas (v.17-19).

Não é por acaso que o primeiro Salmo da Bíblia e o primeiro capítulo de Provérbios nos alertam sobre as amizades. “Bem-aventurado o homem que não anda no conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores. Antes o seu prazer está na Lei do Senhor, e na sua Lei medita de dia e de noite” (Sl 1.1-2). Davi escreveu este Salmo e nos mostra que, quem busca o Senhor é bem sucedido e feliz, ao contrário do que vive entre más companhias, que, sem segurança, irá perecer no juízo (Sl 1.3-6).

Infelizmente, há homens casados que, ao andarem com colegas de trabalho solteiros, começam a deixar as responsabilidades do casamento e desgastam seu relacionamento conjugal. Da mesma forma mulheres casadas, que, longe do convívio do lar, na faculdade ou no serviço, também se esquecem de seu compromisso com o marido e do cuidado com os filhos. Tanto os solteiros como os casados devem tomar muito cuidado nas escolhas das amizades, das pessoas que freqüentam a sua casa. Às vezes, até mesmo tentando ajudar alguém, corremos o risco de prejudicar o nosso lar ou a nossa comunhão com Deus. Os jovens e adolescentes precisam estar muito atentos quanto às suas amizades. Tanto podem crescer espiritualmente, com bons amigos, como podem até mesmo se desviar do caminho da verdade, devido às más companhias. Não há dúvida de que o nosso melhor amigo é Jesus. Que tal deixá-lo ajudar-nos na escolha de nossas amizades?

RELACIONAMENTOS INADEQUADOS: temos visto tantos casamentos desmoronarem no abismo da fornicação e da imoralidade por causa de relacionamentos inadequados. Pessoas divorciadas, os que estão com casamentos em crise, ou jovens adultos que estão cansados de esperar por sua “alma gêmea”, às vezes caem nas ciladas da fornicação e do adultério. Se há um descuido na vida de comunhão com o Senhor: pouca oração, coração impaciente por fraqueza espiritual (sem o alimento diário da Palavra) ou se o foco da vida não está no Senhor, mas no próprio “Eu” com suas paixões, então o perigo de cair no pecado da imoralidade é muito grande. No mundo de hoje “tudo é permitido, o importante é ser feliz” – mas essa filosofia de vida não mostra os resultados desastrosos dos relacionamentos inadequados: gravidez indesejada, destruição do casamento, doenças fatais, feridas na alma, traumas emocionais dificílimos, vergonha e morte.

Estes conceitos falsos de felicidade pelo prazer já são bastante antigos. Em Provérbios encontramos palavras de alerta sobre o adultério: “Filho meu, atende à minha sabedoria, […] porque os lábios da mulher adúltera destilam favos de mel, e as suas palavras são mais suaves que o azeite; mas o fim dela é amargoso como o absinto, agudo como a espada de 2 gumes. Os seus pés descem à morte, os seus passos conduzem-na ao inferno. […] Afasta o teu caminho da mulher adúltera e não te aproximes da porta da sua casa.” (Pv 5.1,3-4,8.) Estes conselhos servem para todo o tipo de atração sexual pecaminosa, onde há somente morte e destruição. É impossível colher frutos de alegria e paz do espinheiro do pecado da imoralidade. As conseqüências são irreversíveis: “Tomará alguém fogo ao seio, sem que as suas vestes incendeiem? Ou andará alguém sobre brasas, sem que se queimem os seus pés? Assim será ao que se chegar à mulher do seu próximo…” (Pv 6.26-29.)

PONDO EM ORDEM OS RELACIONAMENTOS: Quando Abraão encarregou seu servo Eliezer de buscar uma noiva para seu filho Isaque, ele ordenou que este não lhe trouxesse moça de Canaã, mas da casa de seu pai, em Harã (Gn 24.3). As nações de Canaã estavam condenadas por causa de sua cultura pagã imoral e pervertida. A futura esposa de Isaque deveria conhecer e amar o Deus verdadeiro e santo, o Deus de Abraão. E Eliezer ora, pedindo a ajuda e direção para tão importante tarefa (Gn 24.12-14).

Sabemos que o jugo desigual é um sério problema no casamento. Muitas lágrimas são derramadas por conflitos provocados pela falta de entendimento espiritual. Siga a instrução bíblica, querido irmão, não entre em jugo desigual com os incrédulos. Isto é válido para o casamento e sociedades. Muitos problemas e sofrimentos serão evitados na escolha orientada por Deus. Rompa, enquanto é tempo, com laços de jugo desigual que poderão prendê-lo.

CONCLUSÃO: Evitamos muito sofrimento ao orarmos ao Senhor sobre nossos relacionamentos:“Pois livraste da morte a minha alma, das lágrimas os meus olhos, da queda os meus pés. Andarei na presença do Senhor, na terra dos viventes.” (Sl 116.8-9.) Os pais precisam ser amigos de seus filhos (Cl 3.21; PV 4.1-6). Os cônjuges precisam ser os melhores amigos e buscarem, juntos, agradar um ao outro (1Co 7.32-34). Os jovens precisam buscar a santidade na conduta, nas palavras, no procedimento e na escolha das amizades (Tt 2.6-8; 2Tm 4.9-15).

RESPONDA SINCERAMENTE: Você está envolvido em algum relacionamento inadequado? Você tem percebido que, embora dizendo “somos só amigos”, há algo mais, que já é pecado e não deveria haver, entre você e alguma pessoa? Você está se preparando para um casamento em jugo desigual? Você tem sido amigo de seus filhos e de seu cônjuge? Você tem permitido amizades que estão prejudicando sua família e seu relacionamento conjugal? Arrependa-se, acerte seus relacionamentos, e escolha hoje a vontade do Senhor para sua vida.

Pra. Ângela Valadão

Rir é tudo de bom

“Alegrem-se no Senhor e exultem, vocês que são justos! Contem de alegria, todos vocês que são retos de coração!” (Salmos 32.11)

Há muitas coisas extremamente sérias acontecendo no mundo, e precisamos estar cientes e preparadas para elas. Ao mesmo tempo, porém, precisamos aprender a relaxar e aceitar as coisas conforme elas se apresentam, sem sermos afetados por elas e ficarmos nervosos e zangados. Precisamos aprender a desfrutar da boa vida que Deus nos deu através da morte e ressurreição de Seu Filho Jesus Cristo (veja João 10.10). Apesar de todas as coisas perturbadoras no mundo ao nosso redor, nossa confissão diária deveria ser. “Este é o dia que o Senhor nos deu. Eu me regozijarei e me alegrarei nele”.

Algo que nós, cristãos, precisamos fazer mais em nossas vidas é rir. Temos a tendência de sermos tão pesados com relação a tudo: nosso pecado, esperar perfeição de nós mesmos, nosso crescimento em Deus, nossa vida de oração, os dons do Espírito e a memorização de versículos bíblicos. Andamos por aí carregando tantos fardos pesados! Se apenas ríssemos um pouco mais – tenham bom ânimo, “alegrai-vos” – veríamos que um pouco de riso torna bem mais leve aquele fardo.

No mundo em que vivemos não se encontra muita razão para sorrir, então teremos que fazer uma força e rir de propósito. É fácil encontrar coisas com que nos preocuparmos, mas para ser feliz precisamos fazer um pouco de esforço nessa direção. Precisamos sorrir e desfrutar de um bom momento!

Joyce Meyer

Casamento e dinheiro, como ter uma boa relação?

Entenda como tornar o dinheiro um aliado do casamento e não vilão

O dinheiro tem sido o vilão de muitos casamentos, sejam eles recentes ou de longa data. A maioria dos conflitos tem entrado nos relacionamentos pela diferença como os cônjuges encaram o dinheiro. E quando essa diferença não é ajustada, então “a coisa fica preta”, ou melhor, “no vermelho”. O pastor Célio Fernando, líder do Ministério de Finanças Crown, alerta: “Pesquisas com cônjuges e líderes de casais apontam ser o dinheiro o principal causador de conflitos conjugais. Por isso, os casais que estão se preparando para o casamento e aqueles que já são casados devem estar atentos às questões financeiras.”

A má administração ou a falta dela é um dos principais pontos destacados pelo pastor Célio. Marido e mulher precisam andar juntos, como a Palavra fala, na administração dos recursos. Um pode ser melhor que o outro nesse quesito, por isso, a mulher dá suporte ao marido para administrar melhor e vice-versa. Caso contrário, a balança pesará mais cedo ou mais tarde. “E quando nenhum dos cônjuges administra as finanças, falta controle e sobram acusações. Sem administração, o surgimento de problemas financeiros é apenas uma questão de tempo, não importa a renda familiar”, completa Célio.

O casal Maria Alice e Fernando Horta já enfrentou conflitos por causa do dinheiro, mas superaram com um bom diálogo, oração e decisões. Fernando é mais estrategista e Alice é consultada em todas as decisões. “Já enfrentamos alguns conflitos e juntos, em oração, conseguimos chegar a um acordo! Procuramos manter o controle de todos os gastos e acompanhar a evolução de cada grupo de contas, para que o orçamento não saia do nosso controle. No dia a dia, Fernando fica com as contas fixas para pagamentos e Alice controla a parte variável”, conta o casal.

Ser menos sentimento/emoção e encarar essa relação dinheiro/casamento com mais praticidade é outro ponto importante. Talvez o marido não seja tão bom na administração, mas a mulher sim. Deixar o machismo e preconceito de lado é o primeiro passo para começarem a viver tempos melhores. “O casal deve ter a consciência da importância de lidar mais facilmente com o dinheiro e deve investir nisso. É extremamente importante descobrir aquele quem tem mais aptidão. Feito isso, um assumirá a responsabilidade e o outro dará apoio e suporte, acompanhando as contas regularmente”, acrescenta o pastor.

É melhor ter conta conjunta ou separada? Essa é uma pergunta comum entre os casais que vão se casar e muitos casais casados. O pastor Célio orienta a todos os casais que participam do Crown a administrarem ambos os salários em uma conta, assim como a Bíblia fala: “uma só carne”. “O ideal é a conta conjunta, mas uma exceção é quando um dos dois não tem domínio próprio, e pode acabar levando o casal a entrar numa fria. Mas quando não há esse problema, não deve existir o que é ‘dele’ e o que é ‘meu’. Tudo é dos dois, para os dois’”, afirma Célio.

Conta conjunta tem sido a opção do casal Eunice e Calisto Rodrigues para a administração do lar. “Temos conta conjunta em dois bancos, e também separada para recebermos a aposentadoria, pois é uma exigência do INSS. Enfrentamos desafios, principalmente, quando construímos nossa casa, mas conflitos e brigas nunca tivemos”, conta o casal.

Então é assim: se você ganha um mil e seu cônjuge dois mil, vocês têm três mil para administrarem. Mas se você não encara assim, então vocês têm um subtraído pelo outro, e a balança torna a pesar demais para um lado. “O plano de Deus para o casamento é a unidade dos cônjuges, assim, o dinheiro tem que servir a esse propósito. Não deve haver competição entre o casal e o dinheiro deve ser encarado como um bem da família e não como propriedade dos indivíduos separadamente”, explica o pastor Célio Fernando.

Quando o casal entende isso, sair do vermelho é consequência do ajuste, que influencia não somente a nova vida do casal, mas dos filhos. Eles vão aprender a ser bons administradores com os pais e serão bem-sucedidos nessa relação dinheiro/casamento. O dinheiro deve ser um aliado do casamento, principalmente na realização de sonhos, mas para isso é necessário agir com sabedoria e inteligência, que Deus concede a nós. Potencialize essa harmonia que existe na relação dinheiro/casamento, “sejam transparentes; dividam responsabilidades; prestem contas um ao outro; não omitam nada; sejam criativos para economizar. Por fim, sejam solidários em vez de cobrar um do outro”, conclui Célio.

Seis dicas da Palavra de Deus para obter sucesso financeiro no casamento:

1- Provérbios 22.7 – Não façam dívidas;

2- Provérbios 12.15 – Peçam conselho para tomar uma decisão financeira importante;

3- Mateus 6.24 – Escolham a quem vocês servirão;

4- Deuteronômio 10.14 – Reconheçam que vocês são mordomos e todas as coisas pertencem ao Senhor;

5- Mateus 6.33 – Busquem o Reino de Deus e sua justiça e creiam na Sua provisão.

6- Filipenses 4.5 – “Seja a vossa moderação conhecida de todos os homens. Perto está o Senhor.”

 

 

:: Stephanie Zanadrais