Lídia – A primeira convertida de Paulo na Europa

Valdenira Nunes

 

“E uma certa mulher chamada Lídia… nos ouvia, e o Senhor lhe abriu o coração para que estivesse atenta ao que Paulo dizia” (Atos 16:14).

Muitas mulheres da Bíblia foram usadas pelo Senhor para que Seu plano se tornasse realidade. A Europa precisava ser evangelizada e a semente do evangelho foi lançada naquelas terras pelo apóstolo Paulo através de uma mulher forte porém de coração meigo. O seu nome era Lídia.
Foi, exatamente, em Filipos, um lugar improvável para a palavra de Deus ser semeada, que ela ouviu da boca do apóstolo as palavras do shema: “Ouve, Israel, o Senhor, nosso Deus, é o único Senhor. Amarás, pois, o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças” (Deuteronômio 6:4).
Podemos imaginar Paulo usando estas palavras introdutórias do seu sermão para falar do Senhor Jesus àquele povo sedento que não tinha nem mesmo lugar para adorar a Deus (as mulheres se reuniam à beira de um rio para, ali, orarem ao Pai e Lídia orava com elas).
Lídia, comerciante de grande destaque que viera da Ásia Menor, vendia, em Filipos, tecidos finos tingidos de um tom de púrpura que variava de vermelho escarlate a um púrpura escuro.
Ela não era judia mas tinha o coração aberto para conhecer este Deus que tanto fizera e fazia pelo povo judeu. Ela sabia dos milagres e do perdão contínuo a este povo que Ele chamava de Seu povo.

Lídia, atenta às palavras de Paulo, conheceu Jesus, o próprio Deus, que desceu da Sua glória no céu, da Sua majestade para lhe dar as boas novas do evangelho e derramar o Seu precioso sangue e morrer numa cruz para lhe salvar e dar a vida eterna.

Ah, irmã! Podemos imaginar a doce Lídia com lágrimas nos olhos, adorando Aquele que morreu por muito amá-la, cantando hinos de louvor ao seu Salvador. Entendendo as sábias palavras do apóstolo Paulo, ela decidiu, mais tarde, juntamente com toda a sua família, ser batizada.
Agora, como uma mulher de Deus, e com um espírito hospitaleiro, ofereceu e insistiu com o apóstolo para ele, juntamente com Lucas e Timóteo, se hospedar em sua casa.

Amada irmã, quem dentre nós, mulheres crentes que, assim como Lídia, aceitamos Jesus como nosso Salvador, convidamos, sem hesitar e com muito amor, um pastor ou missionário com sua família (esposa e filhos) para se hospedarem em nossa casa? Esta é uma situação que nos deixa, muitas vezes, apreensivas, não é? Apreensivas e preocupadas com o que temos para oferecer, como teremos tempo para “fazer sala”, que roupa de cama ou toalhas usaremos… “Marta, Marta, estás ansiosas e afadigada com muitas coisas, mas uma só é necessária; e Maria escolheu a boa parte, a qual não lhe será tirada” (Lucas 10:41).
Observando este versículo, o que você acha que o Senhor desejaria que você fizesse numa situação desta? Você deve ou não convidar o pastor e sua família para se hospedarem em sua casa?
Lídia não apenas convidou Paulo e os que estavam com ele para se hospedarem em sua casa mas sabemos que, provavelmente, o seu lar se transformou na sede da igreja em Filipos.
Este segundo grande passo dado por Lídia (permitir que a igreja se reunisse em sua casa) nos mostra o tamanho do seu coração e o seu amor pela obra.
A igreja se reunir em minha casa? Usar os meus banheiros? Tirar a minha privacidade?
Foi, exatamente, isto que Lídia permitiu que acontecesse em sua casa. Para ela, era um privilégio ter o seu lar como a “casa de Deus”, onde se reunia a igreja. Para ela, não existia maior bênção… Deus escolher a sua casa para se reunir o Seu povo?

Não sei, amada irmã, se você aceitaria este desafio ou mesmo privilégio de ter a sua casa transformada no lugar onde se reuniria o povo de Deus. Mas… sabe de uma coisa? Eu tive este privilégio e aceitei o desafio de ver, todos os domingos e quartas-feiras, pessoas vindo à minha casa ouvir a palavra de Deus. Esta minha decisão foi uma bênção em minha vida.
Eu e meu marido aceitamos Jesus como nosso Salvador em João Pessoa, capital da Paraíba, e, pouco tempo depois, tivemos que nos mudar para a cidade de Campina Grande. O missionário americano Charles Smith, sua esposa Elsie e seus três filhos, vinham uma vez por semana em nossa casa para nos discipular. Sempre que eles viajavam de João Pessoa para Campina Grande, eles nos pediam para convidar pessoas para estudar conosco a palavra de Deus. Pouco a pouco este número de pessoas foi aumentando e, como tínhamos uma sala bem grande (até a construção desta sala estava nos planos de Deus), compramos dez bancos de igreja (cinco de um lado e cinco do outro) e, lá na frente, tínhamos o púlpito. Literalmente, nossa casa se transformou no lugar escolhido por Deus para se reunir a igreja que se iniciava. A igreja ficou usando a nossa casa por uns sete anos. Depois, a própria igreja comprou um galpão antigo e ficamos nos reunindo lá.
Lembro que Deus colocava em meu coração uma paz “que excede todo o entendimento” (Filipenses 4:7), quando tínhamos que desentupir vasos sanitários, arrumar e limpar quartos que serviam de Escola Dominical. Tudo isto, em nosso coração, era um privilégio, pois fazíamos tudo como se estivesse fazendo para o Senhor, não para homens. Agradeço ao Senhor por ter sentido por um longo período o mesmo que Lídia sentiu quando teve a igreja em sua casa.

Irmã, não hesite quando o Senhor lhe chamar para fazer algo para Ele mas encare tudo como um privilégio e com muita alegria.

Observando a vida de Lídia, em que aspecto você se parece com ela?
1- Com certeza, você se parece com ela em um aspecto… você é mulher assim como ela era.
2- Assim como Lídia, você fica atenta aos cultos para aprender, honrar e adorar o Senhor? Ou você “sempre” se levanta para beber água, se distrai conversando e nem sabe que assunto foi falado no culto de adoração ao Senhor?
3- Assim como Lídia, você já aceitou Jesus como seu único e suficiente Salvador? Você tem certeza de salvação?
4- Assim como Lídia, você já decidiu obedecer ao Senhor, sendo batizada e, deste modo, testemunhando ao mundo que você está enterrando a sua natureza velha (o homem velho) e se tornando uma nova mulher com uma nova natureza? A Bíblia nos diz … “Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo” (2 Coríntios 5:17).
5- Assim como Lídia, você é hospitaleira? Você acolhe aquelas pessoas que estão precisando de sua hospitalidade?
Assim como Lídia, irmã, não abra apenas o seu coração para os que precisam de você mas abra , também, as portas da sua casa para “os obreiros do Senhor e Seu povo”.
Então, em qual destes aspectos você se parece com Lídia?

Amadas irmãs sejamos…
1) mulheres corajosas como Lídia que se tornou a “mãe fundadora” da igreja na Europa;
2) mulheres que estão atentas ao chamado do Senhor para a realização de Seus planos enquanto peregrinamos aqui na terra.

A minha oração é que o Senhor me transforme numa mulher atenta e obediente ao Seu chamado.

“Obrigada, Pai querido, pelo missionário que colocaste no meu caminho e que me apresentou as novas do evangelho. Foi através dele que pude conhecer o Teu tão grande amor por mim, enviando o Teu Filho unigênito para morrer no meu lugar.
Obrigada porque preparaste o meu coração para crer, pela fé, que Jesus veio ao mundo para me dar a vida eterna no céu.
Que assim como Lídia e aquelas mulheres que oravam às margens de um rio, eu também possa ter um lugar de paz e tranqüilidade onde poderei derramar a minha alma diante do Teu altar.
Amém!”

A filha de Jefté – a que amou a Deus

Valdenira Nunes

 

“Ela lhe disse: Meu pai, tu deste a palavra ao Senhor, faze de mim conforme o que prometeste…(Juízes 11:36).

A Bíblia não menciona o nome da filha de Jefté mas podemos ver que a sua fé, o seu amor e dedicação ao Senhor nos mostra que sua confiança no Senhor estava acima de todo e qualquer medo; a sua confiança a deixava forte sabendo que o seu Deus era Senhor da situação; a sua confiança era cheia da fé que agradava a Deus.
Como o Senhor deve ter-se orgulhado desta jovem que preferiu morrer a desfazer o voto que seu pai fizera a Ele!
Como seu pai deve ter-se orgulhado dela, filha única e tão querida, ao vê-la enfrentar a morte com coragem a fim de que ele não deixasse de cumprir o que havia prometido ao Senhor! Ele prometeu a Deus que ofereceria em holocausto o primeiro que saísse para falar com ele na sua volta para casa.

Ah, irmã, eu não sei qual seria a minha reação diante de tamanha decisão. Nunca cheguei a passar por tão grande sofrimento mas de uma coisa tenho certeza: o meu Deus, o meu Senhor e Salvador Jesus Cristo, estaria comigo neste momento difícil. Ele estaria me fortalecendo e me dando sabedoria para fazer a decisão que agradaria a Ele.

Apesar de ser filho de uma prostituta com Gileade, Jefté foi o nono juiz de Israel. Se lermos Hebreus 11:32, vemos que a Bíblia nos diz que ele foi um homem que venceu reinos e praticou a justiça. Ele amava e era fiel ao Senhor. Sendo visitado pelo Espírito Santo ele “fez um voto ao Senhor, e disse: Se totalmente deres os filhos de Amom nas minhas mãos, aquilo que, saindo da porta da minha casa me sair ao encontro, voltando eu dos filhos de Amom em paz, isso será do Senhor, e o oferecerei em holocausto” (Juízes 11:30-31).

Irmã, devemos confiar que o Senhor não tem prazer no mal e Ele, como um Deus onisciente, sabe o que é melhor para Seus filhos. Concordo com Elizabeth Elliot quando ela diz: “Nosso Deus e Pai é amor em Sua essência e, portanto, não é capaz de desejar para seu filho senão o melhor. Ele tem toda a sabedoria e sabe, exatamente,  o que é melhor. Ele é Todo-poderoso e pode nos dar o que quiser”  como também tirar o que quiser, pois Ele sabe o que é bom para nós.
Mas, por que estou dizendo tudo isto? Quando Jefté fez esta promessa ao Senhor, ele jamais poderia imaginar que quem iria sair para recebê-lo seria a sua filha, a sua única e amada filha. Sim, ela correu para abraçá-lo, ela correu para receber a triste notícia da promessa que seu pai havia feito ao Senhor.
A reação de Jefté foi completamente diferente da reação de sua filha.

Ele… “rasgou as vestes e disse: Ah! filha minha, muito me abateste, e estás entre os que me turbam! Porque eu abri a minha boca ao Senhor, e não tornarei atrás” (Juízes 11:35).

Ela… “Meu pai, tu deste a palavra ao Senhor, faze de mim conforme o que prometeste…” (Juízes 11:36).

Daí, tiramos uma lição preciosa… se seguirmos o que a Palavra de Deus nos ensina, os nossos filhos serão salvos e passarão a eternidade no céu, junto ao Senhor.

Imagine se este pai não tivesse…
1- testemunhado do Senhor através da sua vida! Certamente, sua filha não estaria usufruindo das maravilhas que o Senhor havia preparado para ela.
Provérbios 23:26 nos diz: “Dá-me filho meu, o teu coração, e os teus olhos observem os meus caminhos.” Isto Jefté fez.

2- criado sua filha na doutrina e admoestação do Senhor! Ela, certamente, não estaria usufruindo das maravilhas que o Senhor havia preparado para ela.
Efésios 6:4 nos diz: “E vós, pais, não provoqueis à ira vossos filhos, mas criai-os na doutrina e admoestação do Senhor.” Isto Jafté fez.

3- falado do Senhor à sua filha! Certamente, ela não estaria usufruindo das maravilhas que o Senhor havia preparado para ela.
Deuteronômio 6:6-7 nos diz: “E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração; E as ensinará a teus filhos e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te e levantando-te.” Isto Jefté fez.

Estes são os passos que nós, crentes no Senhor Jesus, devemos seguir para termos a certeza de que, um dia, nossos filhos estarão conosco no céu, com o Senhor, por toda a eternidade.

“Senhor, obrigada pelo presente de poder ser mãe de cinco filhos maravilhosos!
Obrigada, Senhor, porque colocaste em meu coração o desejo de andar nos Teus caminhos, me esforçando para ser um exemplo de uma verdadeira crente para meus filhos!
Obrigada, Senhor, porque colocaste em meu coração força e sabedoria para, todos os dias, ler a Tua Palavra com eles, falar do teu amor a eles e orar junto com eles!
Obrigada, Senhor, porque aprendi os Teus ensinamentos e com eles procurei discipliná-los!
Obrigada porque abriste cada coraçãozinho a fim de que eles entendessem o Teu plano de salvação ao enviar o Teu Filho unigênito para morrer por seus pecados., no lugar deles.
Obrigada, Pai, pela salvação que deste a cada um!
Obrigada pelo privilégio de ser mãe de Airton e Mauro que já estão juntos a Ti em suas mansões celestiais.
Obrigada, Senhor, e receba a gratidão de uma mãe saudosa mas confiante de que, um dia, estaremos todos juntos Te louvando e Te adorando.
Amém!

A filha de Jefté está, hoje, no céu, graças a Jesus que morreu em seu lugar e graças a fidelidade de um pai que não mediu esforços para falar do amor de Deus a ela.

Irmã, você deve olhar para o exemplo deste pai que mostrou à sua filha que o Deus que ele aceitou era bom e amoroso e isto ele fazia através do exemplo de vida que ele dava a sua filha.
Nunca esqueça de que Deus pode ter colocado a alma do seu filho e a vida eterna dele em suas mãos. Fale a ele das boas novas do evangelho.
Nunca esqueça de ter tempo para ele, de orar por ele, de orar com ele, de amá-lo e de falar do Senhor “… assentado em tua casa e andando pelo caminho, e deitando-te e levantando-te”(Deuteronômio 6:7).

Eunice, Um exemplo de mãe

Valdenira Nunes

 

“Trazendo à memória a fé não fingida que em ti há, a qual habitou primeiro em tua avó Lóide, e em tua mãe Eunice…” (2 Timóteo 1:5).

Filhos são uma bênção especial do Senhor para nós mulheres. Cada um, separadamente, é um presente que Ele nos concede, dando-nos a incumbência de ensiná-lo a Sua Palavra. Devemos falar a ele todas as verdades deixadas e ensinadas por Jesus quando esteve aqui na terra.Este deve ser o objetivo de toda mãe que ama o seu filho e que quer vê-lo no céu por toda a eternidade.

Eunice era uma judia casada com um homem grego, não cristão. Mesmo tendo um marido incrédulo, ela procurou obedecer à Palavra de Deus que dizia: “Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele” (Provérbios 22:6).
Ela, juntamente, com sua mãe Lóide, procurou falar de Jesus a seu filho Timóteo. A sua lealdade ao evangelho foi herdada de sua mãe e passada a seu filho que, assim como elas, tinha uma fé não fingida.
Este espírito de lealdade ao Senhor nos faz lembrar de muitas mulheres que criam seus filhos sem a ajuda de um pai crente no Senhor Jesus. Muitas destas heroínas são impedidas, por seus maridos descrentes, de assistirem aos cultos, à escola dominical, a encontro de senhoras, enfim… de participarem de qualquer coisa que se relacione com igreja ou com Deus. A situação, para muitas destas mulheres crentes que são mães que amam a Jesus, é muito complicada. Mas, como mulheres de Deus, elas possuem armas muito fortes que podem usar a seu favor…

Arma 1 – A Palavra de Deus – arma que vai lhes dar sabedoria para agir;
Arma 2 – A Oração – arma que pode ser usada por elas, ajoelhadas diante do trono de Deus;
Arma 3 – Testemunho De Vida – arma que pode ser usada por elas que são o templo do Espírito Santo, podendo receber dEle orientação para ter uma vida santa.

Com todas estas armas, não há motivo para desanimar. Toda mulher crente, fiel, dedicada ao Senhor e que ama os filhos, deve crer que Deus está no controle de tudo e que a verdade do evangelho vai sobrepujar qualquer influência maligna. Faça a sua parte e descanse no Senhor, crendo que Ele cuida de você e de seus filhos.

Gostaria, amada irmã, de listar uma série de coisas que você pode fazer por seu filho para transformá-lo no crente fiel e seguidor de Cristo assim como foi Timóteo, filho de Eunice…
* Decida, no seu coração, falar de Cristo a seu filho;
* Fale do amor de Jesus que deu Sua própria vida para nos dar a vida eterna;
* Cante para ele hinos de louvor e adoração ao Senhor;
* Conte historinhas bíblicas para assim ele ficar conhecendo o amor de Deus;
* Seja uma mãe corajosa e plante no coração dele a semente do amor do Senhor;
* Ore com ele:
* Derrame lágrimas com súplicas pela salvação de seus filhos e pela dedicação deles ao Senhor.

Não existe nada mais maravilhoso em beleza do que a dedicação, muitas vezes, sacrificial, de uma mãe por seus filhos, transformando-os em homens e mulheres que honram e temem ao Senhor.
Como é abençoada a mãe cujos filhos a chamam de “bem-aventurada” (Provérbios 31:28)!
Como são abençoados os filhos cuja mãe os ama tanto que é capaz de dar a sua própria vida por eles! Veja esta pequena história…
“Fiquei sabendo que minha mãe, ao suspeitar, pelo rosto do médico, que a sua vida e a do filho não podiam ser ambas salvas, suplicou-lhe que poupasse a criança… Durante os meus muitos anos de existência, poucas vezes tenha agradecido a Deus pelas misericórdias sem agradecer-lhe por minha mãe.” (James M. Ludlow)

Eunice foi uma mãe que se dedicou ao filho, sem medir esforços para falar de Cristo a ele. Timóteo era o companheiro de viagem e de muitas lutas que o apóstolo Paulo mais confiava.

Que a vida de Eunice sirva de exemplo para você que quer ver seus filhos salvos e exalando o bom perfume de Cristo.

Noemi – O plano perfeito de Deus para sua vida

Valdenira Nunes

 

“… porque aonde quer que tu fores irei eu, e onde quer que pousares, ali pousarei eu; o teu povo é o meu povo, o teu Deus é o meu Deus” (Rute 1:16).

A vida de Noemi teve o antes e o depois. Esta mulher forte e corajosa teve que passar “pelo vale da sombra da morte” mas, confiantemente, segurou nas mãos de Deus naqueles momentos de aflição e conseguiu, vitoriosa, escalar a montanha íngreme, cheia de caminhos tortuosos…

O Antes

Ela conheceu tempos felizes juntamente com seu esposo Elimeleque e seus dois filhos Malom e Quiliom, apesar de ter que viver nas terras de Moabe por causa da fome que assolava Belém, sua terra natal. Sim, Noemi era feliz e, certamente, era agradecida ao Senhor por tê-los colocado em uma terra onde havia alimento. Mas a Bíblia nos diz que Elimeleque, seu marido, morreu ficando ela com seus dois filhos que se casaram com “mulheres moabitas; e era o nome de uma Orfa, e o da outra Rute; e ficaram ali quase dez anos” (Rute 1:4).

Apesar de ter perdido o marido, Noemi tinha paz no coração, pois ela confiava que o Senhor sempre tinha o melhor para aqueles que O amavam. Mas ela, nem de longe, sabia os planos que o Senhor tinha para a sua vida. Ela jamais imaginou que o plano perfeito de Deus não estava de acordo com os seus planos, mas ela sabia, e eu e você sabemos, que “… todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito” (Romanos 8:28).

O seu nome Noemi, que significava “minha alegria” ou “amável”, combinava com estes momentos felizes pelos quais ela passava. Ela era feliz com seus dois filhos e com as suas duas noras.

O Depois

Agora, o plano do Senhor ia mudar a sua vida. A Bíblia nos revela o que aconteceu. Ela diz que “… morreram também ambos, Malom e Quiliom, ficando assim a mulher desamparada dos seus dois filhos e de seu marido” (Rute 1:5).

O quadro que tomou conta da sua vida era trágico. As circunstâncias que a rodeavam eram terríveis.

Quando nos deparamos com situações desta natureza – perda de um filho [por este sofrimento eu já passei], doença grave, perda do emprego, divórcio… – nos surpreendemos, muitas vezes, agindo do modo que não agrada a Deus. Se não estivermos em comunhão constante com o Senhor, alimentando, diariamente, a nossa nova natureza que recebemos quando aceitamos Jesus em nossa vida, certamente, fazemos perguntas como:
“Será que Deus me ama?”
“Será que Ele está, realmente, vendo o meu sofrimento?”
“Por que aconteceu tudo isto, exatamente, comigo?”

Ah, irmã, o plano de Deus para a nossa vida é perfeito. Os nossos olhos não alcançam o que vem depois de toda a tragédia que cai sobre nossa vida. Os nossos olhos não alcançam a bonança que o Senhor prepara para nós, após a tempestade. Na verdade, estes momentos de sofrimento …
1- nos aproximam do Senhor;
2- fazem com que dependamos mais dEle;
3- nos levam a ler mais a Sua Palavra e a orar;
4- nos encorajam a perseverar na fé;
5- nos aproximam mais de nossos irmãos em Cristo.

Com estas mudanças em nossa vidas, podemos ver que o Senhor está nos ensinando a …
1- ajudar as pessoas com um conforto que aprendemos através do sofrimento;
2- sermos mais assíduas na leitura da Sua Palavra, pois é aí onde encontramos as ferramentas para o nosso crescimento espiritual;
3- sermos mais constantes nas orações que o Senhor espera de nós, Seus filhos, a fim de que possamos colocar no Seu altar nossos agradecimentos, preocupações, necessidades…

A Bíblia nos diz que ela, Noemi, “… saiu do lugar onde estivera, e as suas noras com ela. E, indo elas caminhando, para voltarem para a terra de Judá, disse Noemi às suas noras: Ide, voltai cada uma à casa de sua mãe; e o Senhor use convosco de benevolência, como vós usastes com os falecidos e comigo. O Senhor vos dê que acheis descanso cada uma em casa de seu marido. E, beijando-as ela, levantaram a sua voz e choraram. E disseram-lhe: Certamente voltaremos contigo a teu povo” (Rute 1:7-10).

Vemos que tanto Orfa como Rute amavam Noemi, porém somente Rute é que, realmente, decidiu segui-la até aquela terra que ela não conhecia. Rute abriu seu coração, proferindo palavras que, certamente, agradaram não apenas a Noemi mas, principalmente, a Deus. Ela disse: “… aonde quer que tu fores irei eu, e onde quer que pousares, ali pousarei eu; o teu povo é o meu povo, o teu Deus é o meu Deus; onde quer que morreres morrerei eu, e ali serei sepultada…” (Rute 1:16-17)

O Senhor, pouco a pouco, traçava o plano perfeito que Ele preparava para a sua serva Noemi. Ele sabia que seu marido morreria, que seus filhos também morreriam e que ela, já idosa, teria que ter uma pessoa que a amasse, cuidasse dela e trouxesse alimento para casa. A mão do Senhor estava agindo na sua vida e na vida de Rute.
Dentre as suas noras, o Senhor escolheu aquela que …
* decidiu ir com ela aonde ela quisesse ir;
* decidiu pousar com ela aonde ela quisesse pousar;
* decidiu ser parte do seu povo;
* decidiu aceitar o mesmo Deus dela;
* decidiu morrer onde ela morresse;
* decidiu ser sepultada onde ela fosse sepultada.

O Senhor escolheu Rute para segui-la porque Ele viu nela não apenas uma nora que a amava mas uma nora que tinha um amor maior do que o amor de muitos filhos. Rute foi um presente de Deus na vida de Noemi.

Irmã, muitas vezes, Deus coloca diante de nós, mulheres que são verdadeiras Rutes. A  bondosa misericórdia do Senhor é derramada em nossas vidas através destas mulheres.
Procuremos também ser como Rute nas vidas das pessoas que precisam de nós. Sejamos um instrumento usado por Deus para transmitir o Seu amor e misericórdia.

Chegando em Judá com Rute, Noemi, por causa do seu sofrimento, pediu às pessoas que a chamassem de “Mara” que quer dizer “amarga”.
O plano perfeito de Deus foi surgindo. Noemi queria o melhor para Rute e Rute queria o melhor para a sua sogra.
O tempo da fome foi agora substituído pelo trigo que a própria Rute colhia nos campos de Boaz, o homem com quem ela se casaria. Noemi se alegrou com este casamento mas ficou muito mais feliz quando pôde colocar em seus braços já cansados o pequeno Obede, filho de Rute e Boaz. A Bíblia nos diz que “… Noemi tomou o filho, e o pôs no seu colo, e foi sua ama. E as vizinhas deram umnome, dizendo: A Noemi nasceu um filho. E deram-lhe o nome de Obede. Este é o pai de Jessé, pai de Davi” (Rute 4:16-17).

Finalmente, chegamos do outro lado do “vale da sombra e da morte”. Presenciamos a tempestade que caiu sobre Noemi mas, agora, vemos as bênçãos derramadas em sua vida.

Devemos sempre ser gratas ao Senhor e confiar nas inúmeras promessas que existem na Sua Palavra. Vejamos algumas:
Tu, que me tens feito ver muitos males e angústias, me darás ainda a vida e me tirarás dos abismos da terra” (Salmo 71:20)
É nestes momentos que sentimos as mãos do Senhor nos amparando e nos levantando.

“E restituir-vos-ei anos que comeu o gafanhoto, a locusta, e o pulgão e a lagarta, o meu grande exército que enviei contra vós. E comereis abundantemente e vos fartareis, e louvareis o nome do Senhor vosso Deus, que procedeu para convosco maravilhosamente; e o meu povo nunca mais será envergonhado” (Joel 2:25-26).

“Ah, Senhor, Tu nunca me deixarás no chão, humilhada e deixando o inimigo de nossas almas sair vencedor.
Que eu seja sempre como Jó que passou por sofrimentos mas, no fim, saiu vitorioso. Que nada neste mundo possa me separar do Teu amor, pois aprendi na Tua Palavra que as aflições deste mundo não podem ser comparadas com a glória que há de ser revelada em nós.
Obrigada, Pai, por ter-me feito com a capacidade de criar relacionamentos que poderão ser bênçãos para a minha vida.
Obrigada, Senhor, pelas mulheres que colocastes na minha vida e que são amigas sinceras.
Senhor, dá-me sabedoria para saber organizar o meu tempo para poder ter agradáveis momentos de comunhão com elas.
Que eu possa, Senhor, me tornar uma amiga sincera, leal e amorosa.
Que eu seja a amiga que sabe ouvir, encorajar, perdoar e mostrar amor.
No nome do nosso Senhor e Salvador,
Amém!

Isabel, justa diante de Deus

Valdenira Nunes

 

“E eram ambos justos perante Deus, andando sem repreensão em todos os mandamentos e preceitos do Senhor” (Lucas 1:6).

Isabel, cujo nome significa “Deus é meu juramento”, era casada com o sacerdote do templo Zacarias. Ambos já eram velhos quando os conhecemos pela primeira vez na Bíblia. Enquanto ele tinha uma atividade de destaque (ele era sacerdote), ela vivia apenas para a sua casa e … era uma mulher estéril. Essa sua condição a deixava triste, pois qual era a mulher judia que não queria ter um filho? Qual era a mulher que não queria dar um filho a seu marido? Em Israel, ser uma mulher estéril  significava que …
1- seu esposo poderia se divorciar dela se ela não pudesse lhe dar filhos;
2- a mulher tinha pecado em sua vida.

Apesar de ser estéril, nenhuma destas duas afirmativas atingia a vida de Isabel. Ela, com certeza, não se preocupava como o divórcio, pois seu marido a amava e era, assim como ela, uma pessoa temente a Deus e dedicado a Ele.
Por outro lado, ela, por ser uma mulher de Deus, certamente, não se preocupava com o que os outros diziam sobre não ter filhos por causa de pecado. Lucas 1:6 nos diz que ela andava “… sem repreensão em todos os mandamentos.” Apesar de não ter filhos ela repousava a sua vida nas mãos do seu Deus.

Amada irmã, assim como Isabel, devemos lutar para sermos mulheres irrepreensíveis em todos os mandamentos do Senhor.
Assim como Isabel, devemos aceitar, em atitude de obediência e não de revolta, com reverência e com alegria, o plano que Deus traçou para a nossa vida.

Isabel era descendente do sacerdote Arão, irmão de Moisés. Ela foi criada numa família que conhecia e amava a Deus. Além de tudo isso, ainda se casou com Zacarias que era sacerdote do templo do Senhor.
Ela foi uma mulher que aprendeu com seus antepassados a amar e ser fiel a Deus.
Você e eu, amada irmã, podemos não ter tido antepassados que amassem o Senhor, nem tivessem suas vidas dedicadas a Ele, mas podemos a partir de nós, começar uma família que anda nos caminhos de Deus, que O ama, que O teme e que tem toda a sua vida dedicada a Ele. Que tenho, então, que fazer?
1- Tenho que falar, diariamente, a meus filhos das boas novas do Evangelho deixado por Deus na Sua Palavra.
2- Tenho que mostrar a eles o plano da salvação através do sangue derramado por Jesus no nosso lugar.
3- Tenho que lhes falar do grande amor de Deus que não mediu esforços para sacrificar o Seu próprio Filho para morrer no nosso lugar.

Você quer que seus descendentes tenham este mesmo espírito de amor que tinha Isabel?
Você quer que eles sejam mais que vencedores e justos?
Você quer que eles sigam e cumpram as leis de Deus?
Você quer que eles sejam obedientes aos mandamentos de Deus?
Então, fale sempre do amor do Senhor a eles.

Apesar de velho, Zacarias vivia orando ao Senhor para que Ele lhe desse um filho. Um certo dia, ele foi surpreendido por um anjo do Senhor que lhe disse: “Zacarias, não temas, porque a tua oração foi ouvida, e Isabel, tua mulher, dará à luz um filho e lhe porás o nome de João” (Lucas 1:13).
A Bíblia  nos diz que ele não creu no que estava ouvindo e por isso o anjo Gabriel lhe disse: “… eis que ficarás mudo, e não poderás falar até ao dia em que estas coisas aconteçam …” (Lucas 1:20).

Muitas vezes, amada irmã, agimos como Zacarias não crendo nas promessas do Senhor.
Em nenhum lugar da Bíblia vemos Isabel duvidando da promessa do Senhor mas vemos o seu reconhecimento ao saber que estava grávida. Ela disse: “Assim me fez o Senhor, nos dias em que atentou em mim, para destruir o meu opróbrio entre os homens” (Lucas 1:25).

Quando estamos andando com o Senhor, em doce comunhão com Ele, Ele nos abençoa e nos usa.
Você tem atendido ao chamado do Senhor quando Ele, muitas vezes, usa pessoas para convidá-la para exercer um ministério na igreja?
Você é uma pessoa agradecida ao Senhor pelo dom ou dons que Ele lhe deu?
Você tem atendido ao chamado do Senhor quando você está lendo a Bíblia e é tocada a fazer algo para Ele?
Você, realmente, crê que é Ele que a está chamando ou, como Zacarias, duvida e nada faz para o Senhor?
Para fazer algo para o Senhor não é necessário que Ele nos chame mas devemos colocar toda a nossa vida em Seu altar e nos oferecer para Seu serviço, dizendo: “Senhor, eis-me aqui, usa-me segundo a Tua vontade!”

Isabel creu no que o Senhor prometera a seu marido, apesar de ser uma mulher já idosa. Ela creu que se o Senhor iria presenteá-la com tão grande dádiva, Ele, com certeza, supriria toda e qualquer dificuldade.
Você crê que o Senhor faria o mesmo por você? Quando o Senhor chama Ele capacita.

Isabel estava feliz por causa do filhinho que estava para nascer e era no Senhor, no Deus que ela tanta amava, que ela buscava forças.
Podemos imaginar o quanto ela foi agradecida a Ele e como confiou na Sua promessa quando Ele disse a Josué e em seu coração estaria também dizendo a ela: “… Esforça-te, e tem bom ânimo. não temas, nem te espantes; porque o Senhor teu Deus é contigo. por onde quer que andares” (Josué 1:9).
Provavelmente, Isabel, por causa da sua idade avançada, estava apreensiva. Estava apreensiva mas estava feliz com este presente que o Senhor lhe deu.

Amada irmã, não é maravilhoso receber do Senhor, um filho?

Estou lendo o livro “De Volta Ao Lar” de Mary Pride e nele existem vários depoimentos de mulheres do Movimento Feminista e de “feministas evangélicas”. Enquanto Isabel, Sara, Rebeca, Raquel e Ana queriam tanto ter um filho, vejam para qual finalidade este casal queria ter um filho“Um engenheiro de 28 anos, que sofria de hemofilia, achava insuportável a vida numa máquina de diálise. Ele não podia ter um transplante de rins de um membro da família, já que ele havia sido adotado e não sabia quem eram seus pais naturais. Então ele imaginou uma solução nova para o seu problema: ‘A esposa dele engravidaria e, depois de cinco ou seis meses, faria um aborto. Os rins do seu próprio filho pré-nascido seriam então transplantados pra ele.’ Sua idéia é digna não só porque o próprio pai tramou a morte do próprio filho, mas também porque chegamos ao ponto em que os meios de comunicação respeitam idéias desse tipo.”

Você, irmã, é favor do aborto? Você é a favor de idéias como estas?
Desde o momento da concepção o bebê já é um ser humano criado à imagem de Deus. O rei Davi disse no Salmo 51:5; “Sei que sou pecador desde que nasci, sim, desde que me concebeu minha mãe.”

Veja, amada irmã, enquanto as feministas e as “feministas evangélicas” lutam pela legalização do aborto, vemos mulheres chorando, implorando a Deus que lhes conceda a alegria de ter um filho. Vamos falar um pouco de algumas dessas mulheres…

Ana – Como foi seu pedido ao Senhor?
“Ela, pois, com amargura de alma, orou ao Senhor, e chorou abundantemente. E fez um voto, dizendo: Senhor dos Exércitos! Se benignamente atentares para a aflição da Tua serva, e de mim Te lembrares e da Tua serva não Te esqueceres, mas à Tua serva deres um filho homem, ao Senhor o darei todos os dias da sua vida…” (1Samuel 1:10-11).

Rebeca – Não teve filhos durante os primeiros vinte anos de sua vida com Isaque. Mas a Bíblia diz que ele orou insistentemente ao Senhor pedindo que Ele tivesse um filho com Rebeca. Veja o que a Palavra de Deus nos diz em Gênesis 25:21: “E Isaque orou insistentemente ao Senhor por sua mulher, porquanto era estéril; e o Senhor ouviu as suas orações, e Rebeca sua mulher concebeu.”

Eu ou Você – O que Deus poderia escrever sobre o meu ou o seu desejo de ter um filho? Ele é para mim ou para você uma bênção? Ou fazemos nós parte destas “feministas evangélicas” que preferem não ter filhos porque … vamos ter nossos corpos deformados, vamos perder anos de nossas vidas criando-os, vamos ter nosso orçamento comprometido …?

Veja o que um comentarista bíblico disse: “Pode-se dizer com certeza acerca de qualquer mulher de Deus na Bíblia, mesmo que ela já tivesse muitos filhos, que receber mais um seria uma grande alegria para ela… Mas (não sabemos que tipo de mal leva isto a acontecer) como é que hoje há entre nós dezenas de milhares de mulheres cristãs para as quais a promessa de filhos seria tristeza e angústia, em vez de consolo e alegria.”

Isabel não se revoltou apesar de toda a sua vida ter se transformado. Um filho era tudo que ela queria e este seria “grande diante do Senhor” (Lucas 1:15).
Quando ela se encontrava no sexto mês de gravidez, recebeu a visita de Maria, sua prima. Ao ouvir sua saudação, sentiu que “a criancinha saltou no seu ventre” (Lucas1:41).
Ah, irmã! Veja que palavras lindas soam aos nossos ouvidos quando ela (Isabel), cheia do Espírito Santo, diz: “Bendita és tu entre as mulheres, e bendito é o fruto do teu ventre. E de onde me provémisto a mim, que venha visitar-me a mãe do meu Senhor?” (Lucas 1:42-43).
Maria então disse : “A minha alma engrandece ao Senhor, e o meu espírito se alegra em Deus meu Salvador” (Lucas 1:46-47).
Vemos aí, duas mulheres tementes a Deus, duas mulheres que amavam a Deus e que se regozijavam em suas condições de mulheres grávidas e que esperavam com amor a chegada de um filhinho.

Você ficava feliz todas as vezes que descobria que estava grávida? Ou você se revoltava, chorava e se lamentava por causa da condição em que se encontrava … esperando um filho que você não estava desejando?
Bendita é a mulher que recebe do Senhor, de braços abertos e com o coração cheio de júbilo, o dom e o privilégio de ser mãe!

Que cada uma de nós possa louvar e agradecer a Deus pelo dom de ter filhos e pelo milagre da vida. Que eu e você possamos agradecê-Lo por Ele ter cuidado de nós quando ainda estávamos no ventre de nossa mãe… “Pois possuíste os meus rins; cobriste-me no ventre de minha mãe. Eu te louvarei, porque de um modo assombroso, e tão maravilhoso fui feito; maravilhosas são as tuas obras, e a minha alma o sabe muito bem. Os meus ossos não te foram encobertos, quando no oculto fui feito, entretecido nas profundezas da terra. Os teus olhos viram  o meu corpo ainda informe; e no teu livro todas estas coisas foram escritas; as quais em continuação foram formadas, quando nem ainda uma delas havia.” (Salmo 139:13-16).

A esposa de Noé – A mulher que creu na profecia

Valdenira Nunes

 

“Mas contigo estabelecerei a minha aliança; e entrarás na arca, tu e os teu filhos, tua mulher e as mulheres de teus filhos contigo” (Gênesis 6:18).

Na Bíblia, nós a conhecemos como “a esposa de Noé”. O seu nome não sabemos mas, com certeza, Deus sabe e o colocou no Livro da Vida, no livro onde estão os nomes de todos aqueles salvos pelo sangue do Seu Filho unigênito, Jesus Cristo.
Maria? Rute? Madalena? Não sabemos, mas sabemos que ela era uma mulher virtuosa e submissa a seu esposo Noé.

O mundo, naquela época, estava corrompido. O pecado inundava toda a terra. Mas havia um família que era fiel ao Senhor – a família de Noé. Ele era um homem justo que andava com Deus, juntamente com sua esposa, seus três filhos – Sem, Cão e Jefé – e suas noras.
Em Gênesis 6:5-7, a Bíblia nos diz: “E viu o Senhor que a maldade do homem se multiplicara sobre a terra e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente. Então arrependeu-se o Senhor: Destruirei o homem que criei de sobre a face da terra, desde o homem até ao animal, até ao réptil, e até à ave dos céus.”

Até então, a vida da esposa de Noé era simples. Ela cuidava de Noé, de seus filhos e do seu lar. Ele tinha uma vida sem preocupação, pois tinha o Senhor. Ela não imaginava que a sua vida e a de todos da sua família iria mudar. Tudo começou com “o chamado do Senhor”. Disse Deus a Noé: “… O fim de toda a carne é vindo perante a minha face; porque a terra está cheia de violência e eis que os desfarei com a terra” (Gênesis 6:13).
E ainda disse a ele que fizesse uma arca de madeira de gofer. Nela entraria ele, seus filhos, sua esposa e as mulheres de seus filhos, pois ele iria trazer “um dilúvio de águas sobre a terra, para desfazer toda a carne em que  espírito de vida debaixo dos céus …” (Gênesis 7:17).

Como nós reagiríamos a esta notícia tão séria?
Como nós reagiríamos ao saber que , com exceção da sua família, todos iriam morrer?
Como nós reagiríamos ao saber que tudo iria mudar daqui para frente?

Lembro que quando meu esposo (Hélio) decidiu fazer o seu Ph D na área de Informática noCANADÁ e me deu a notícia, minha reação não foi muito positiva. Minha vida iria mudar, e muito! Quatro anos fora do Brasil, com quatro filhos, língua diferente (na Universidade eu tinha feito o Curso de Letras, mas fiz na área de Língua Neo-Latinas [Francês e Português]) e … muitas e muitas mudanças. Talvez a esposa de Noé tenha, a princípio, reagido assim, mas finalmente, ambas, eu e ela decidimos seguir os planos de nossos maridos e também os planos de Deus. Quando seguimos o que a Bíblia nos diz (no nosso caso, sendo submissas a nosso marido) tudo no final dá certo. Em ambos os casos, no meu e no da esposa de Noé, tudo, realmente, deu certo. Nós decidimos agir com sabedoria e com um espírito cooperativo. Decidimos arregaçar as mangas e dizer de todo o nosso coração: “Eis-me aqui! Em que posso ajudar?” Bem, foi assim que eu decidi agir e, provavelmente, foi assim que a esposa de Noé também decidiu agir. Nós não reagimos como a esposa de Jó que era reclamona e rixosa mas reagimos como Deus quis que reagíssemos – nos esforçando para estarmos no centro da Sua vontade.

A esposa de Noé creu na profecia. Ela creu no que Deus disse a seu esposo. Ela creu que toda a humanidade iria perecer sob as águas do dilúvio.
O coração desta mulher de Deus, certamente, estava preocupado não apenas com a morte de todas aquelas pessoas que ela conhecia mas também com a vida e alma de seus filhos e noras. Como mãe amorosa ela deve ter falado do amor de Deus e da promessa de salvação. Ela amava seu esposo, seus filhos, suas noras e, principalmente, o Senhor. Por isso podemos fechar nossos olhos e imaginar o que ela fazia enquanto Noé, Sem, Cão e Jafé construíam a arca. Podemos imaginar e dizer que …

1- Ela orava.
Ela pedia a Deus para conservá-los obedientes a Seus (do Senhor) planos; para não desanimarem; não duvidarem, em nenhum momento, da profecia.
Como uma mulher de Deus, ela também orava pela humanidade pecadora que estava prestes a receber o castigo por causa da sua iniqüidade.
E você, irmã, assim como a esposa de Noé, ora por seu marido, pela vida espiritual dele, por seu trabalho secular …? Você ora por seus filhos? Ora pela salvação deles? Você tem um peso em seu coração pelas almas que estão caminhando para o inferno? Você tem falado à sua família, seus amigos, seus vizinhos do amor de Jesus que veio ao mundo para morrer por você e por eles para dar a todos a vida eterna? Este é um assunto que deve ser encarado com muita seriedade, pois o inferno existe e é real.

2- Ela exortava.
Provavelmente, houve momentos de desânimo na vida de Noé e de seus filhos. Mas, certamente, ela estava sempre ali de joelhos orando e mostrando a eles o amor de Deus em suas vidas. Ela os exortava e animava. Ela os encorajava a serem fiéis e obedientes ao Senhor, pois era isto que Deus esperava deles.
A mulher de Noé, provavelmente, era a mulher que a Bíblia diz em Provérbios 31:10: “Mulher virtuosa quem a achará?”

E você, minha irmã, sempre encoraja seu marido? Você o encoraja em seus planos (nos dele), mesmo que não sejam os seus? E você faz isso de coração ou apenas para, aparentemente, ser uma esposa submissa? Não estou dizendo que é fácil ser submissa, nem que é fácil seguir os planos do marido quando eles não são os mesmos planos meus. Mas de uma coisa estou certa: se eu colocar os meus joelhos no chão e pedir ao Senhor que mude o meu coração para um coração submisso, para um coração que se submete com alegria, com certeza, Ele vai me atender. E é aí quando estarei fazendo a vontade do Senhor e lutando pra ter um lar feliz junto com meu marido e com nossos filhos.

3- Ela ajudava.
Podemos imaginá-la cozinhando e preparando a refeição para levar até onde eles estavam trabalhando, construindo a arca.
Podemos imaginá-la cuidando da casa, dos animais, da plantação (provavelmente, junto com suas noras), enquanto eles estavam no trabalho que o Senhor lhes pediu para fazer.

E você, amada irmã, é aquela “ajudadora idônea” (Gênesis 2:18) do seu marido? Ou você vive atrapalhando-o, não deixando ele ter tempo para trabalhar para o Senhor?
Lembro-me de ter lido em algum lugar que havia uma esposa que vivia revoltada com seu marido por ele , de vez em quando, pedir a ela para trazer um chá para ele. O escritório dele era no primeiro andar da casa e a cozinha no térreo. Ela reclamava, reclamava, reclamava … mas ele não dava ouvidos às reclamações da sua mulher que pode ser comparada a de Provérbios 21:19: “É melhor morar numa terra deserta do que com a mulher rixosa e irritadiça.” Mas, apesar de estar agindo rixosamente, ela era uma mulher de Deus e era, verdadeiramente, uma crente no Senhor. Então, ela decidiu por algo que deixava seu coração cheio de amor todas a vezes que seu marido pedia o tão polêmico chá – agora, ela levava o chá, não para seu marido mas para o Senhor. Ela fazia de conta que era para Deus que ela estava fazendo o chá.

A Bíblia nos diz em Provérbios 21:1… “Como ribeiros de águas assim é o coração do rei na mão do SENHOR, que o inclina a todo o seu querer.” Meditando neste versículo, cheguei a conclusão de que o bom mesmo é pedir a Deus que Ele mude o meu coração assim como Ele muda o coração do rei e o inclina a todo o seu querer. Assim, posso ser uma ajudadora do meu marido fazendo o que ele me pede com amor para ele mesmo.

Quando o Senhor colocar no coração do seu marido o desejo de obedecê-Lo em algo que Ele (o Senhor) tem preparado para ele (seu marido), não seja uma pedra de tropeço mas diga: “O que posso fazer para ajudá-lo a obedecer ao Senhor?” Seja uma esposa dócil e cooperadora, pois a bênção sempre vem depois da obediência.
A esposa de Noé, por causa da sua obediência e fé foi abençoada juntamente com seu esposo, filhos e noras.

Tudo que vimos até agora, não podemos afirmar que realmente aconteceu. A Bíblia nada diz a respeito desta mulher. A Bíblia não diz qual foi a sua reação quanto a todos estes acontecimentos. Não sabemos se ela foi obediente ao Senhor do princípio até ao fim. Tudo o que vimos são apenas suposições. Mas quando a Bíblia nos diz: “E no mesmo dia entraram na arca Noé, seus filhos Sem, Cão e Jafé, sua mulher e as mulheres de seus filhos” (Gênesis 7:13), temos certeza que ela entrou na arca. E, quando a Bíblia, novamente, nos diz: “Então falou Deus a Noé dizendo: Sai da arca, tu com tua mulher, e teus filhos e as mulheres de teus filhos” (Gênesis 8:15-16), então temos certeza que ela e seu esposo, os seus filhos e suas esposas saíram da arca.
A Bíblia ainda nos diz que “… edificou Noé um altar ao Senhor; e tomou de todo o animal limpo e de toda a ave limpa, e ofereceu holocausto sobre o altar. E o Senhor sentiu o suave cheiro …”.

E Deus abençoou esta família e mandou que eles frutificassem, multiplicassem e enchessem a terra.

Que eu e você, irmã, independente de como foi a esposa de Noé, possamos ser mulheres fortes, obedientes, corajosas, ajudadoras e mulheres de fé. Que o Senhor nos ajude nesta batalha.

Joana, a mulher que desceu do poder para servir a Deus

Valdenira Nunes

 

“E aconteceu, depois disto, que andava de cidade em cidade, e de aldeia em aldeia, pregando e anunciando o evangelho do reino de Deus; e os doze iam com Ele, e algumas mulheres que haviam sido curadas de espíritos malignos e enfermidades: Maria, chamada Madalena, da qual saíram sete demônios; E Joana, mulher de Cuza, procurador de Herodes, e Suzana, e muitas outras que O serviam com seus bens” (Lucas 8:1-3).

Como é bom estudarmos sobre as mulheres da Bíblia e aprendermos delas lições preciosas para a nossa vida.
Mulheres que foram privilegiadas por estarem juntas a Ele, o próprio Deus, aprenderem dEle, serem curadas por Ele e andarem, diariamente, com Ele. Não somos deste tempo bíblico mas, como mulheres de Deus que amam ao Senhor, podemos também, assim como elas, vivermos aos pés do nosso Salvador, aprendendo dEle, sendo curadas por Ele e tendo, diariamente, a companhia dEle. Nós não podemos vê-Lo como elas O viam mas sabemos que Ele está conosco, diariamente. e nunca nos abandona.
Ele deixou registrado em Sua Palavra histórias de mulheres que nos inspiram a seguir seus passos a fim de agradá-Lo. Dentre tantas podemos destacar …

Isabel – que teve o privilégio de ser mãe em idade já bem avançada. A Bíblia nos diz que ela andava”sem repreensão em todos os mandamentos e preceitos do Senhor” (Lucas 1:6). É assim que devo ser diante do Senhor …justa aos olhos dEle, andando conforme a Sua Palavra.

Maria – que teve o privilégio de ser escolhida, dentre tantas mulheres, para ser a mãe de Jesus. Apesar de ser uma jovem já comprometida, não teve dúvidas em aceitar com coragem, mas com humildade, o perfeito plano de Deus para a sua vida. Ela disse: “… Eis aqui a serva do Senhor …”(Lucas 1:38). É assim que devo ser quando o Senhor me convidar para servi-Lo. Ao ouvir o Seu chamado devo dizer: “Eis-me aqui, Senhor, usa a Tua serva!”

Finalmente, vamos conhecer uma outra mulher que nos deixou um exemplo de humildade, amou o Senhor e teve a alegria de servi-Lo e ser curada por Ele. Seu nome é Joana. Ela era uma mulher muito rica, casada com Cuza, gerente das várias propriedades de Herodes.
Se ela vivesse nos dias de hoje, certamente, teria seu nome na coluna social dos jornais da cidade, pois vivia junto às pessoas que faziam parte da corte de Herodes. Mas, apesar de seu ciclo social ser diferente do de Isabel e do de Maria, ela teve sua vida transformada depois que conheceu o verdadeiro Rei dos reis, Jesus o seu Senhor e Salvador. Ela pôde ver que aquelas pessoas ricas que ela conhecia eram, na verdade pobres e estas irmãs pobres que ela conheceu, na verdade eram ricas.

Joana foi testemunha da morte de João, o batista. Ela viu, diante de si, a cabeça de um homem que morrera por falar a verdade e mostrar o pecado de Herodes que vivia com Herodias, esposa do seu irmão Filipe.
Ela, depois deste assassinato, temeu pela vida de Jesus e de seus seguidores. Mas, mesmo temendo esta perseguição, ela não deixou de segui- Lo, nem de servi-Lo com seus bens.

Assim como Joana, como posso seguir a Jesus e servi-Lo com meus bens?
Antes de tudo, tenho que me sentar aos Seus pés e aprender com Ele a Sua Palavra. Ler os Seus ensinamentos é um bálsamo para a minha e uma canção suave para os meus ouvidos …
“Quem crê nEle não é condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus” (João 3:18).

“Na verdade, na verdade vos digo que quem ouve a Minha palavra, e crê nAquele que me enviou, tem a vida eterna, e não entrará em condenação, mas passou da morte para a vida” (João 5:24).

Enquanto aprendo a Sua Palavra, assim como Joana, ao caminhar com Ele, estava aprendendo, tenho que falar às almas perdidas do Seu plano maravilhoso de salvação e do Seu grande amor por nós morrendo no nosso lugar e tomando sobre Si todos os nossos pecados. Custou a Sua vida mas Ele não mediu esforços porque Ele sempre nos amou e continua amando para todo o sempre e por toda a eternidade.
Posso servi-Lo também usando o dom ou dons que Ele me deu mas tenho que servi-Lo sempre com prontidão, responsabilidade e, acima de tudo, com muito amor.

Estejamos sempre prontas para servir ao Senhor não apenas com o nosso tempo, dons, amor pela obra mas com nossos bens. Façamos como Joana que não mediu esforços para descer das alturas de onde ela se encontrava para servir ao seu Senhor e Salvador, não apenas seguindo-O mas também usando os seus bens.

“Senhor, não me deixe viver repousando em pastos verdejantes mas que, até bem velhinha, eu possa estar sendo usada por Ti. Amém!”

Observando Joana, vemos que ela foi uma grande mulher de Deus. Assim como ela, gostaria de ter um espírito forte, corajoso, lutador e completamente diferente do espírito de Nicodemos que, apesar de admirar Jesus, O procurou nas caladas da noite. Medo de ser reconhecido? Certamente.
Joana era uma mulher rica, seu marido servia a Herodes mas ela não se importou de ser reconhecida como uma seguidora de Jesus. Ela seguia a Jesus abertamente, sem nada temer. Que exista sempre em mim este mesmo espírito forte e cheio de coragem de Joana!
Não sabemos muita coisa sobre ela mas a Bíblia nos diz que ela foi curada por Jesus de alguma enfermidade física ou espiritual.
“… e os doze iam com Ele, e algumas mulheres que haviam sido curadas de espíritos malignos e enfermidades … E Joana, mulher de Cuza, procurador de Herodes” (Lucas 8:1-2).

Não sabemos ao certo se ela estava na crucificação de Jesus mas sabemos que ela estava sempre ao lado das mulheres que O seguiam. Foi, justamente, na ressurreição de Cristo que ela, juntamente com Maria Madalena e Maria, mãe de Tiago, correu para anunciar aos discípulos e apóstolos que o seu Senhor havia ressuscitado.
Quando imagino Joana, uma mulher rica, simples e com o coração voltado para o Senhor, numa época de muitas perseguições, correndo para avisar que Jesus ressuscitara, penso em mim e no que estou fazendo …

1- Estou, assim como ela, correndo para anunciar ao mundo perdido as boas novas do Evangelho?
2- Tenho pressa em meu coração de falar de Cristo aos perdidos … ao meu pai … ao meu marido … ao meu filho?

Joana era uma mulher fiel ao marido mas era também fiel a Jesus. Apesar de sua alta condição social (vivendo junto a pessoas ricas e poderosas), ela preferiu fazer parte do círculo de seguidores de Jesus (pessoas pobres e rejeitadas pela classe alta).

Na vida de Joana existiram muitas coisas que a deixaram agradecida a Deus …

1- Ela foi bem aceita por Jesus e pelas pessoas que O seguiam (ela deve ter recebido o amor daqueles que eram verdadeiros crentes em Jesus).;
2- Ela foi curada por Jesus e viu nesta cura, as mãos do próprio Deus agindo em sua vida.
3- Ela recebeu o maior e mais desejado presente que qualquer mulher gostaria de receber: o presente de fazer parte do grupo de mulheres que primeiro viu Jesus ressuscitado.
4- Ela pôde ajudar Jesus. e não media esforços para ajudá-Lo com seu trabalho e seus bens.
Ela amava tanto ajudar Jesus que depois da Sua morte, ela planejou cuidar dEle preparando especiarias e ungüentos juntamente com outras mulheres.
Ah, como nós mulheres de Deus deveríamos ter este mesmo espírito de ajudar com nosso trabalho e bens!
5-Ela foi curada por Jesus (Lucas 8:1-3. É este mesmo Jesus que a curou que  nos cura nos dias de hoje. Ele cura no dia e hora escolhidos por Ele. Não é o homem que tem poder de marcar o dia ou hora das curas milagrosas que vemos espalhadas por aí mas Ele, somente Ele, tem esse poder, pois só Ele é Deus onipotente. É Ele quem decide se …
a) está dentro do Seu perfeito plano para a minha vida ser curada ou …
b) ser levada para sempre para a mansão celestial que Ele está preparando para mim.

Sigamos, então, os passos desta grande mulher de Deus que não se importou em descer do seu poder e ser uma discípula fiel de Jesus. Sejamos como ela sempre pronta para o serviço do Senhor.

“Ó Deus, coloca em meu coração o desejo ardente de Te servir, de aprender de Ti e de repousar nas Tuas decisões para a minha vida.
Que eu tenha o coração e as mãos abertas para o Teu serviço, assim como Joana.
Que cada passo que eu der seja sempre para a Tua honra e glória.
Amém!”

Raabe, a mulher que escolheu ajudar

Valdenira Nunes

 

Porém, aquela mulher tomou os dois homens, e os escondeu…” (Josué 2:4).

Raabe, juntamente com Sara e Joquebede, faz parte da galeria dos grandes heróis da fé de Hebreus 11.

Vejamos o que a Palavra de Deus nos fala de cada uma delas:

1) Sara – (casada com Abraão, o amigo de Deus) “Pela fé também a mesma Sara recebeu a virtude de conceber, e deu à luz já fora da idade; porquanto teve por fiel aquele que lho tinha prometido” (Hebreus 11:11).
2) Joquebede – (casada com Anrão e mãe de Moisés) “Pela fé Moisés, já nascido, foi escondido três meses por seus pais porque viram que era um menino formoso; e não temeram o mandamento do rei” (Hebreus 11:23).
2) Raabe (não era casada mas era, na verdade, uma prostituta) – “Pela fé Raabe, a meretriz, não pereceu com os incrédulos, acolhendo em paz os espias” (Hebreus 11:31).

Como vemos, Raabe era uma prostituta. Ela não tinha a mesma educação, nem o mesmo conhecimento de Deus como tinham Sara e Joquebede. Sabemos que ela fez escolhas que agradaram a Deus e que a fez ter o mesmo valor destas outras duas mulheres de fé, diante do Senhor.
Ela fez escolhas certas porque já tinha ouvido falar no Deus de Israel. Ela ouviu falar no Deus que fazia milagres diante de todo o povo de Israel para favorecê-lo. Ela jamais poderia imaginar que, um dia, estaria frente a frente com dois israelitas que iriam precisar da sua ajuda.
O Senhor já, de antemão, preparava o seu coração. Ela, provavelmente, admirava este povo cujo Deus fazia tantas maravilhas. Por já amar este povo, ela, então, decidiu ajudar aqueles dois espias israelitas, provando que tinha fé no Deus Todo Poderoso que, com certeza, a livraria de uma morte certa.
Apesar de ser prostituta, ela tinha qualidades que, hoje em dia, é difícil de se encontrar, até mesmo, entre mulheres de Deus. Raabe era…

1- uma mulher corajosa (Você, amada irmã, teria coragem de morrer por amor a Cristo?);
2- uma mulher que tinha um coração muito bom (Você tem misericórdia daqueles que estão sofrendo? Você ajuda aqueles que estão necessitando de você mesmo pondo em risco a sua própria vida como fez Raabe?);
3- uma mulher de muita fé (Você crê em tudo que a Bíblia diz? Você crê que Jesus morreu em seu lugar? Você crê que Ele nos garante a vida eterna? Você crê que aceitando Jesus como seu Salvador, você se reconcilia com Deus Pai? Você crê que aceitando Jesus você fará parte da família de Deus?).

Em Hebreus 11:6, a Bíblia nos diz que “… sem fé, é impossível agradar-Lhe.”
Sejamos como Sara que creu que o Senhor daria a ela um filho de cuja linhagem nasceu o nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.
Sejamos como Joquebede que, apesar de ter lançado o seu filho (Moisés) no rio Nilo, ela creu que o Senhor estava no controle de tudo.
Sejamos, finalmente, como Raabe que, mesmo não sendo judia, ajudou os dois espias enviados por Josué porque creu no Deus de Israel.

Por causa de sua fidelidade ao povo de Deus, o Senhor a poupou, como também a toda a sua família quando da destruição de Jericó.
Além de tudo isso, ela ainda casou com Salmon, viveu em Israel e foi a mãe de Boaz, aquele que se casou com Rute que foi a bisavó do rei Davi. Jesus, o nosso Senhor e Salvador foi, então, descendente de Raabe, a prostituta.

Quando estamos andando com o Senhor, quando pela fé cremos que o Ele está no controle de tudo, bênçãos são derramadas em nossa vida.
Nunca duvide do Senhor! Creia que Ele não é apenas seu Deus mas é também seu Salvador. Confie e nunca duvide, pois …
“A dúvida vê os obstáculos. A fé vê o caminho.
A dúvida vê a escuridão da noite. A fé vê o dia.
A dúvida tem medo de dar um passo. A fé eleva-se nas alturas.
A dúvida pergunta: ‘Quem acredita?’ A fé responde: Eu.” (Elizabeth George)

Raabe recebeu do Senhor muitas bênçãos graças a alguns passos que ele decidiu dar:

1- Ela, apesar de não fazer parte do povo de Deus, ajudou os espias enviados por Josué;
2- Ela, apesar de não fazer parte do povo de Deus, acreditou naqueles dois homens;
3- Ela, apesar de não fazer parte do povo de Deus, creu na promessa de que eles poupariam a sua vida e a vida de sua família quando Jericó fosse destruída.

Vemos na Bíblia que Deus nos oferece inúmeras promessas. Dentre tantas, vemos …

a) a Sua promessa em não nos abandonar (Hebreus 13:5) …
“… Não te deixarei, nem te desampararei.”

b) que Ele supre as nossas necessidades (Filipenses 4:19) …
“O meu Deus, segundo as Suas riquezas, suprirá todas as vossas necessidades em glória, por Cristo Jesus.”

c) que Ele nos dá a salvação (Romanos 10:9) …
“… Se com a tua boca confessares ao Senhor Jesus, e em teu coração creres que Deus O ressuscitou dentre os mortos, serás salvo.”

Ah, amada irmã, existem promessas mais preciosas do que estas? Todas elas nos fazem exultar de júbilo, de alegria e de agradecimento a este Deus tão amoroso que cuida de nós, supre todas a nossas necessidades e, além de tudo isto, ainda nos dá a salvação eterna junto a Ele.
Confiemos no Senhor, sejamos mulheres que mostram ao mundo perdido, uma fé inabalável, uma fé que nos deixam confiante no Deus que nunca falha!

Tenhamos a fé de Raabe que, corajosamente, enfrentou o rei, não entregando os espias e arriscando perder a sua própria vida. Ela não conhecia as palavras que, no futuro, um apóstolo de Jesus (Pedro) diria ao sumo sacerdote, mas o seu coração, certamente, falava as mesmas palavras dele …
“… Mais importa obedecer a Deus do que aos homens” (Atos 5:29).
Tenhamos a fé de Raabe que, agora, conhecendo o Deus de Israel, sabia que a sua cidade seria destruída mas ela queria a sua salvação e a salvação de toda a sua família. Ela queria a salvação física mas, principalmente, a salvação espiritual que daria a ela e a todos os seus, a vida eterna.

Raabe fez um grande bem a estes dois homens judeus porque, não só conhecia os feitos maravilhosos do Deus deles mas também porque ela tinha uma natureza amorosa. Esta característica que tinha Raabe deve ser seguida por nós, pois é a própria Bíblia que nos exorta em Gálatas 6:10 quando diz … “… enquanto temos tempo, façamos bem a todos, mas principalmente aos domésticos da fé.”

Certamente, Raabe sofreu com a destruição da sua cidade e do seu povo mas, por outro lado, se alegrou por Deus ter dado a ela, uma prostituta, a oportunidade de servi-Lo, amá-Lo e fazer parte do Seu povo.

Muitas vezes, nos maravilhamos com as decisões que o Senhor faz. Podemos ver, por exemplo, Ele escolhendo pessoas imperfeitas para por em prática o Seu plano perfeito. Vejam este quadro:

Raabe – uma prostituta de cuja descendência nasceu Jesus, o nosso Salvador.
Sara – uma mulher estéril que, aos 90 anos, deu à luz Isaque.
Moisés – um homem gago usado por Deus para falar com Faraó e salvar o seu povo da escravidão do Egito.
Davi – um jovenzinho que cuidava de ovelhas e se tornou rei de Israel e um homem segundo o coração de Deus.
Paulo – um homem perseguidor de cristãos que levou o evangelho a todo o mundo ímpio.
Jumenta de Balaão – que foi usada pelo Senhor para impedir Balaão de amaldiçoar o povo judeu.

Vemos que Deus transforma vidas, muda corações, fortalece os fracos… e pode também mudar a mim e a você. Temos somente que ficar atentas ao Seu chamado e querer, de todo o coração, servi-Lo e estar sempre pronta a dizer: “Eis-me aqui” (1 Samuel 3:6).
Estejamos sempre prontas para servir ao Senhor a qualquer hora, a qualquer momento …

“Senhor Deus, meu Pai, ajuda-me a saber sempre os Teus planos para a minha vida.
Que eu possa reverenciá-Lo e obedecê-lo sem duvidar e sem questionar.
Obrigada por dar-me oportunidades de falar do Teu amor e plano de salvação aos perdidos.
Obrigada por sempre preparar o melhor para a minha vida.
Que eu possa ser corajosa, destemida e uma mulher cheia de fé assim como foi Raabe.
Amém!”

A mulher sunamita: Piedosa, bondosa e hospitaleira

Valdenira Nunes

 

“Retenhamos firmes a confissão da nossa esperança; porque fiel é o que prometeu” (Heb 10:23).

“Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai das misericórdias e o Deus de toda a consolação: Que nos consola em toda a nossa tribulação, para que também possamos consolar os que estiverem em alguma tribulação, com a consolação com que nós mesmos somos consolados por Deus” (2Co 1:3-4).

Vamos, hoje, conhecer uma mulher cujo nome não sabemos. A Bíblia nos diz que ela morava em Suném e era uma mulher importante.
Para Deus, ela não só era importante mas era uma mulher de coração dócil e sensível. Ao ver que Eliseu, o profeta de Deus, passava sempre por sua cidade, ela abriu as portas de sua casa e seu coração para acolhê-lo. Esta sua atitude mostrou o quanto ela amava e era sensível aos que estavam precisando dela, o quanto ela era hospitaleira, qualidade difícil de se encontrar, hoje em dia.
Esta mulher, conhecida como Sunamita, tem, com certeza, o seu nome na lista de mulheres hospitaleiras. E você, irmã, quer ter este mesmo espírito hospitaleiro da Sunamita? O mesmo espírito hospitaleiro de Marta e Maria, que hospedaram Jesus e os apóstolos? O mesmo espírito hospitaleiro da viúva de Sarepta que ofereceu a última porção de comida que tinha ao profeta Elias? Então, peça ao Senhor para transformá-la numa mulher cujo espírito seja sensível às necessidades do próximo.
Eu e você temos que querer esta transformação, temos que querer ter o coração aberto, que goste de ajudar aqueles que estão precisando de nós, temos que querer ser aquela mulher que percebe e é sensível às necessidades das pessoas.
Devemos querer ser uma mulher segundo o coração de Deus…

1- que tem a alma aberta às necessidades daqueles que o Senhor coloca diante dela;
2- que enxerga, de longe, os que estão precisando dela;
3- que ajuda com docilidade, amabilidade aqueles que estão necessitando dela;
4- que mesmo tendo pouco, não mede esforços em dividir o que tem com aqueles que estão precisando dela;
5- que está sempre pronta para ajudar o seu próximo;
6- que sempre tem força e coragem para ajudar os necessitados.

Estes e tantos outros atributos faziam parte da vida desta mulher Sunamita, que era um exemplo de hospitalidade, de bondade, de coração piedoso e contente.

Irmã, se Jesus deixou a Sua glória para se tornar homem e servir, lavando os pés daqueles que Ele mesmo criou, os apóstolos, por que eu não posso deixar o meu conforto e me dispor a ajudar as pessoas que estão precisando de mim?
Se a viúva de Sarepta deixou de lado o seu egoísmo e dividiu com o Elias, o profeta do Senhor, o pouco que tinha de farinha e de azeite, por que eu não posso também dividir com quem está precisando a porção que o Senhor me dá, a cada dia?
Se Abraão preparou uma refeição tão suntuosa e ofereceu a três estranhos (Gên 18) que foram até a sua casa, por que eu não posso oferecer um almoço a um pastor ou missionário que está visitando a minha igreja?

Amada irmã, ao lermos a Palavra de Deus, podemos encontrar dezenas de mulheres e homens de Deus que são exemplos de hospitalidade para nós que queremos seguir os seus passos e queremos principalmente agradar ao Senhor sendo mulheres dóceis e hospitaleiras.
Agradar ao Senhor é o que mais desejo em minha vida. No entanto, muitas vezes, não consigo atingir o meu objetivo porque dou lugar à natureza velha que ainda habita em mim. É quando, então, percebo que devo orar mais, ler mais a Palavra de Deus e procurar seguir o que Ele me ensina. A Bíblia me diz que devo orar não só por mim mas também por você a fim de que “… possais andar dignamente diante do Senhor, agradando-Lhe em tudo, frutificando em toda a boa obra, e crescendo no conhecimento de Deus” (Col 1:10).

Eliseu se sentia confortável ao se hospedar no quarto que a Sunamita havia pedido ao marido para construir especialmente para ele.
Por causa da generosidade e da hospitalidade desta mulher de Deus é que tornou-se um hábito para Eliseu parar na casa dela.

Iirmã, gostaria de fazer-lhe duas perguntas que poderão medir o seu grau de mulher hospitaleira:
1- “Você já foi hospitaleira numa ocasião difícil ou inconvenientemente?
2- Ou só quando isso se ajustava a seu programa?” (‘Elas’ de Ann Spangler e Jean Syswerda)

Hebreus 13:2 nos exorta a sermos hospitaleiras. Veja o que esta carta nos diz: “Não vos esqueçais da hospitalidade, porque por ela alguns, não o sabendo, hospedaram anjos.”

Quando estamos no centro da vontade de Deus, obedecendo à Sua voz, certamente, bênçãos virão sobre a nossa vida. Isto foi o que aconteceu com a mulher Sunamita. A Bíblia nos diz que o profeta Eliseu recolheu-se ao seu quarto e se deitou. Conversando com o seu servo Geazi, ele pediu que chamasse a mulher Sunamita. Ela veio e, ao chegar junto ao profeta, ela ouviu dele o seguinte: “… A este tempo determinado, segundo o tempo da vida, abraçarás um filho” (2Re 4:16a).
A mulher Sunamita, com certeza, gostaria de ter um filho mas ela estava com medo de que toda aquela promessa fosse apenas um sonho e não uma realidade. Mas a concretização da promessa aconteceu exatamente no tempo determinado, como disse a Palavra de Deus em 2Re 4:17.
Vejam que presente maravilhoso – um filho! Somente nós que já somos mães sabemos que um filho é a maior dádiva que recebemos do Senhor, depois da salvação. É um presente que teremos conosco até o momento que bem aprouver ao Senhor, pois um filho, na verdade, não é propriedade nossa mas um ser que Deus colocou em nossas mãos para educá-lo, para falar das maravilhas do Senhor, do Seu plano de salvação e para amá-lo, amá-lo e amá-lo.
Às vezes, Deus decide levar nosso filho para junto dEle e nós ficamos tristes, chorosas e com muita saudade. Isto aconteceu comigo – o Senhor decidiu levar o meu filho Mauro – 27 anos, filho amado e mui querido – para junto dEle. Isto também aconteceu com a mulher Sunamita – o Senhor decidiu levar o filhinho dela. Posso imaginar o seu desespero e a sua decisão de ir até Eliseu contar o ocorrido. Em 2Re 4:28-36, podemos ver tudo o que aconteceu:
“E disse ela: Pedi eu a meu senhor algum filho? Não disse eu: Não me enganes?
E ele disse a Geazi: Cinge os teus lombos, toma o meu bordão na tua mão, e vai; se encontrares alguém não o saúdes, e se alguém te saudar, não lhe respondas; e põe o meu bordão sobre o rosto do menino.
Porém disse a mãe do menino: Vive o Senhor, e vive a tua alma, que não te hei de deixar. Então ele se levantou, e a seguiu.
E Geazi passou adiante deles, e pôs o bordão sobre o rosto do menino; porém não havia nele voz nem sentido; e voltou a encontrar-se com ele, e lhe trouxe aviso, dizendo: O menino não despertou.
E, chegando Eliseu àquela casa, eis que o menino jazia morto sobre a sua cama.
Então entrou ele, e fechou a porta sobre eles ambos, e orou ao Senhor.
E subiu à cama e deitou-se sobre o menino, e, pondo a sua boca sobre a boca dele, e os seus olhos sobre os olhos dele, e as suas mãos sobre as mãos dele, se estendeu sobre ele; e a carne do menino aqueceu.
Depois desceu, e andou naquela casa de uma parte para a outra, e tornou a subir, e se estendeu sobre ele, então o menino espirrou sete vezes, e abriu os olhos.
Então chamou a Geazi, e disse: Chama esta sunamita. E chamou-a, e veio a ele. E disse ele: Toma o teu filho.”

Comigo não aconteceu o mesmo. Não tive o privilégio de ter o profeta de Deus, Eliseu, em minha casa, nem tive o privilégio de ter o meu filho de volta mas de uma coisa tenho certeza: O Senhor não erra! Ele nunca falha! E, apesar da saudade que tenho dele, sei que não existe maior privilégio do que o privilégio de estar vendo sempre o Senhor Jesus todos os dias por toda a eternidade.

“Obrigada, Senhor, pelo presente maravilhoso que Tu nos deste, enviando o Teu Filho unigênito, para morrer em nosso lugar e nos dar a vida eterna.
Obrigada porque sei que meu filho, que eu tanto amo, está ao Teu lado para todo o sempre. Em breve, estarei junto a Ti e junto a ele. As lágrimas não mais existirão, pois Tu mesmo as enxugarás para sempre.
Amém!

Baseado em Números 23:19 que diz que “Deus não é homem, para que minta; nem filho do homem, para que se arrependa; porventura diria ele, e não o faria? Ou falaria, e não o confirmaria?”, e conhecendo os tanto atributos de Deus, vemos que se Ele disse que ela teria um filho, com certeza, este filho viveria.

Amada irmã, eleve o seu coração ao Senhor e peça que Ele a transforme numa mulher hospitaleira. Que Ele mude o seu coração e a transforme numa mulher sensível às necessidades dos outros e – este é o passo mais difícil – que Ele coloque diante de você oportunidades que a possibilitem de cuidar de pessoas que estão precisando de seus cuidados. Ore mais ou menos assim:

“Pai, muda o meu coração! Transforma-me numa mulher segundo o Teu coração. Coloca diante de mim alguém necessitado para que eu possa demonstrar o amor que tenho recebido e aprendido de Ti. Que eu seja uma mulher sensível ao Teu chamado e que me transforme numa mulher piedosa, bondosa e…hospitaleira, pois Tu me ensinaste na Tua Palavra que eu não deveria me esquecer da hospitalidade “porque por ela alguns, não o sabendo, hospedaram anjos”.
Amém!

Joquebede, a mãe que confiou

Valdenira Nunes

 

“Pela fé Moisés, já nascido, foi escondido três meses por seus pais, porque viram que era um menino formoso; e não temeram o mandamento do rei.” (Hebreus 11:23)

1- INTRODUÇÃO

Antes de conhecermos a história de Joquebede, a mãe que confiou no Senhor, vamos ver os personagens que fizeram parte dela:

Joquebede – escrava hebréia no Egito, esposa de Anrão, mãe de Moisés, Miriã e Arão.

Moisés – filho legítimo de Joquebede, filho adotivo da filha de Faraó, irmão de Miriã e Arão.

Filha de Faraó – moça de coração compassivo, meigo e nobre, usada por Deus para salvar Moisés.

2- E CREU JOQUEBEDE NO SENHOR…

O povo de Deus, por causa da sua rebeldia perante o Senhor, tornou-se escravo no Egito. Faraó com medo que os judeus se tornassem muito fortes e se unissem a outro povo contra o seu reino, mandou matar todas as criancinha do sexo masculino.
Já se havia passado trezentos anos da morte de José, filho de Jacó e Raquel, quando nasceu Moisés, aquele que estava nos planos de Deus para salvar o povo judeu da escravidão.
Joquebede, sua mãe, o amava muito e não queria que os soldados de Faraó o descobrissem e o matassem jogando-o no rio Nilo.
Com a mão protetora do Senhor, Joquebede conseguiu esconder seu filho por três meses.
Moisés era um bebê bonito e amado por seus pais mas estava prestes a ser encontrado e morto.
Exôdo 1:22 nos mostra o porquê do desespero de Joquebede:
“Então ordenou Faraó a todo o seu povo, dizendo: A todos os filhos que nascerem lançareis no rio, mas a todas as filhas guardareis com vida.”

Todas as parteiras do Egito foram obrigadas por Faraó a matar todos os bebês do sexo masculino. Mas, dentre tantas parteiras, havia duas, Sifrá e Puá, que temiam mais ao Senhor do que a Faraó. Em seus corações era mais importante “…obedecer a Deus do que aos homens” (Atos 5:29).
Assim como Joquebede, elas amavam ao Deus todo poderoso e tinham em si mesmas princípios que ficariam com elas por toda suas vidas:

1- Deus sempre estaria em primeiro lugar em suas vidas;
2- Deveriam obedecer a Deus com alegria mesmo com risco de perder as próprias vidas;
3- Seriam sempre gratas por tudo que o Senhor já lhes havia dado;
4- Reverenciariam sempre o Senhor mesmo correndo riscos;
5- Obedeceriam sempre aos mandamentos do Senhor.

Se em vez de Sifrá e Puá, fôssemos nós que iríamos fazer o parto de Joquebede que decisão tomaríamos? Será que teríamos coragem de morrer por amor a Deus ou por obedecer à Sua Palavra? A mulher que é segundo o coração de Deus tem que ter sempre em seu coração o versículo que encontramos em Atos 5:29 e que diz:
“Mais importa obedecer a Deus do que aos homens.” Amém?

Em Sua maravilhosa providência, Deus orientou as mãos das parteiras hebréias a fim de que o menino Moisés fosse poupado.
Cada acontecimento na vida de Joquebede estava dentro do plano cuidadoso do Senhor. E ela, como serva do Senhor usava da sabedoria que Deus lhe dera para por em prática os planos do Senhor para Seu povo. Mas ela estava também pondo em prática a sua fé. Ela confiava no Senhor e amava o seu filho. Ela, por confiar no Senhor, sabia que Deus estava no controle de tudo e Ele ia salvar o seu filho Moisés. Realmente, ela era uma mulher de fé. Poucas mulheres da Bíblia fizeram parte da galeria dos heróis da fé. Fazem parte dela: Sara, Raabe e… Joquebede. A Bíblia nos diz em Hebreus 11:23: “Pela fé Moisés, já nascido, foi escondido três meses por seus pais, porque… não temeram o mandamento do rei.”
Quando leio este versículo, sinto-me fortificada e com vontade de ser como Sara, como Raabe ou como Joquebede, mulheres de fé e segundo o coração de Deus. Ah, como almejo ter tamanha fé e me tornar uma mulher segundo o coração de Deus! Muitas vezes, penso como o apóstolo Paulo quando ele diz: “… quando quero fazer o bem, o mal está comigo. Porque segundo o homem interior, tenho prazer na lei de Deus; Mas vejo nos meus membros outra lei, que batalha contra a lei do meu entendimento, e me prende debaixo da lei do pecado que está nos meus membros. Miserável homem que sou! quem me livrará do corpo desta morte?” (Romanos 7:21-24) Apesar disto tudo, eu sei que tenho que:
a- pela fé colocar no altar do Senhor todos os problemas que me rodeiam, todos os problemas que a meus olhos não têm solução;
b- pela fé tenho que crer que o Senhor está no controle de tudo;
c- pela fé devo confiar no Senhor como me diz o Salmo 56:3: “Em qualquer tempo que eu temer, confiarei em Ti.”;
d- pela fé devo fazer como Joquebede que, literalmente, fez como nos diz Eclesiastes 11:1: “Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás.” – ela, pela fé, colocou Moisés num cesto de junco e lançou-o no rio Nilo. Ele deu este passo de fé mas, com certeza, o seu coração estava triste. Ela confiava no Senhor mas, como mãe, ela sofria com a separação, sofria por não saber o futuro do seu tão querido filhinho.
Deus estava vendo o sofrimento de Joquebede e decidiu ampará-la e, certamente, colocou em seu coração a certeza de dias melhores para seu filho. E a paz de Deus surgiu em seu coração dando-lhe tranqüilidade e confiança. Que Pai maravilhoso nós temos!
Enquanto o Senhor trabalhava no coração dela, Ele também conduziu a filha de Faraó até a margem do rio. Foi Deus quem a fez ver o cesto onde se encontrava o pequenino Moisés e foi também Ele que colocou compaixão no coração desta jovem egípcia que teve amor pela criancinha logo que a viu.
Deus continuou agindo na vida da filha de Faraó e na vida de Joquebede. Vejam o que este Deus amoroso ainda fez: O pequenino Moisés precisava ser amamentado, então a filha de Faraó, que já havia decidido adotá-lo, autorizou Joquebede a levá-lo todos os dias para a sua casa para alimentá-lo com seu leite. Que provisão maravilhosa para esta mãe que repousou sua ansiedade nos pés do Senhor!

Ah, minha irmã, lance o seu pão sobre as águas! Confie que o Senhor está cuidando do seu filho mesmo ele indo para outro país fazer um doutorado, mesmo ele estando se casando, mesmo ele indo morar em outra cidade, mesmo você sentindo que seu filho está indo embora da sua vida, mesmo você pensando que o está perdendo. Pela fé, creia que o Senhor está ciente da situação. Creia que Ele está agindo e dando o melhor para seu filho. Creia no Senhor e nunca duvide que Ele a ama, que ele ama seu filho e que os Seus planos são bem melhores do que os seus planos.

Joquebede amamentou seu filho Moisés por aproximadamente dois anos e meio. Durante este tempo o que podemos imaginar que aconteceu?

1- Podemos imaginar ela ninando seu filho com cantigas que falavam do amor de Deus por ele.
2- Podemos imaginar ela falando do Senhor, Criador dos céus e da terra.
3- Podemos imaginar ela falando do plano maravilhoso de Deus que enviaria o Seu Filho Jesus Cristo para morrer no lugar dele e dela e lhes dar a vida eterna.

Ela, com certeza, foi uma mãe que se importou com a vida espiritual de seu filho. Foi ela quem incutiu no coração de Moisés o amor pelo seu povo e, principalmente, o amor e obediência a Deus.
E você, minha irmã, está falando do amor de Deus a seu filho? Você lê, diariamente, a Bíblia ele? Você ensina hinos de louvor a ele? Você o disciplina como o Senhor nos ensina na Sua Palavra?
Nunca esqueça que a alma de seu filho está em suas mãos. Deus lhe deu esta responsabilidade e você não pode falhar, pois o destino eterno do seu filho depende de você e de sua submissão a Deus. Você quer que seu filho seja salvo? Você quer que ele esteja ao lado do Senhor por toda a eternidade? Então comece desde cedo, ninando seu filhinho com…
“Foi Jesus que abriu o caminho pra o céu,
Não há outro meio de ir.
Nunca irei entrar no celeste lar
Se o caminho da cruz errar…”

Nunca nine seu filho com cantigas como:

“Boi, boi, boi,
Boi da cara preta
Vem pegar Joãozinho
Que tem medo de careta”, pois ela nunca irá edificá-lo mas, com certeza, irá assustá-lo.

A Bíblia em Provérbios 22:6 me diz que devo educar “… a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele.”
Novamente, gostaria de perguntar-lhe: Você está falando do Senhor todos os dias a seu filho? Nunca esqueça que A ALMA DO SEU FILHO ESTÁ EM SUAS MÃOS.

Resumindo a vida de Joquebede vemos que ela…
1- foi uma mulher que amava a Deus e também amava seu filho que estava condenado a morrer nas águas no rio Nilo;
2- foi uma mulher corajosa ao esconder seu filho dos soldados de Faraó que procuravam criancinhas do sexo masculino para matar;
3- foi uma mulher de fé. Ela creu que o Senhor resolveria este grande problema que a seus olhos era de difícil solução;
4- assim como Ana, entregou seu filho Moisés ao Senhor confiando que Deus tinha o melhor para ele.

Minha irmã, siga os passos de Joquebede. Seja uma mulher de fé, confie que o Senhor está controlando não somente sua vida mas também a vida de seu filho, de seu marido, de sua família.
Seja corajosa, forte, sábia e entregue seu filho nas mãos do Senhor.

“Senhor Deus nosso Pai, obrigada pelo dom maravilhoso que Tu me deste de ser mãe. Obrigada pelos cinco presentes que Tu me deste, pelos cinco filhos bons e amorosos que são a alegria de minha vida.
Que eu possa, Senhor, amá-los do mesmo modo e com a mesma intensidade que Tu os ama.
Que eu, pela fé, possa entregá-los em Tuas mãos para que possas agir em suas vidas da maneira que Tu planejaste.
Cuida deles, Senhor!
Amém.”