Cris Poli e as 5 dicas para escolher o berçário dos sonhos

A especialista em crianças vai passar algumas recomendações para os pais não errarem nessa decisão. Confira!

 A educadora e apresentadora do programa Supernanny dá as pistas para os pais não errarem neste importante momento de decisão. “Sempre fui defensora dos berçários, acho que as crianças a partir de 1 ano e meio já são capazes de aprender muito nessas instituições”, diz Cris, que seguiu o próprio conselho com os filhos e netos.

1) Dedique um tempo de sua vida para pesquisar e encontrar o berçário ideal

“Muitas vezes, os pais só levam em conta a localização, mas não podemos esquecer que o filho passará a metade do dia nas mãos de estranhos e em uma idade na qual tudo está se desenvolvendo, em especial, a mente e os sentimentos. Ainda que seja difícil, a praticidade deve ser deixada de lado e os pais precisam pensar no futuro de seus filhos”, aconselha.

2) A proposta pedagógica deve estimular a mente e a personalidade
“É de 0 a 7 anos que a personalidade da criança começa a se delinear. Por isso, é fundamental que o berçário e a escolinha ofereçam atividades que estimulem não apenas a coordenação motora ou a inteligência do bebê, mas também incentivem a criatividade e os ajudem a expressar suas emoções”, conta Cris Poli.

3) O espaço físico também é importante
“Muitos acham que o berçário é só um local para deixar o filho, mas não é. A escola deve fazer a criança sentir-se à vontade e ter a sensação de possuir um outro lar. O berçário também não pode ter apenas brinquedos bonitos, pois as brincadeiras têm que divertir os pequenos e direcioná-los ao desenvolvimento psicológico e motor.”

4) Os educadores devem ser experientes e demonstrar afeto pela profissão e pelas crianças
“É preciso confiar na escola e, para isso, é necessário observar o profissional que cuidará de seu filho. Nessa faixa etária, essas pessoas deixarão marcas eternas na formação da personalidade e no dia-a-dia dos pequenos. Assim, devem ser qualificados, competentes e respeitar os pais e os pequenos também”, diz.

5) A escola precisa ser parceira dos pais na educação da criança
“Os pais têm de buscar uma instituição cujos princípios educacionais sejam iguais aos deles. Caso sejam liberais, não coloquem os filhos em escolinhas muito rígidas, pois isso poderá causar um conflito emocional na criança. Os valores devem ser os mesmos, mas a escola é apenas uma extensão da educação. A responsabilidade principal ainda é da família”, revela a educadora.

Deixe seu comentário