Rotina no casamento

O que fazer para resolver ou melhorar?
Eliseu Schmidt

Uma das definições para rotina, de acordo com o Dicionário Houaiss, é “hábito de fazer algo sempre do mesmo modo, mecanicamente; rotineira”. Por essa definição podemos perceber como é nociva para o casamento a rotina. Anos, décadas “fazendo algo sempre do mesmo modo”, e pior, “mecanicamente”.
Albert Friesen em seu livro “Cuidando do Casamento”, descreve algumas etapas previsíveis de evolução num casamento. Uma dessas etapas é descrita como “volta à realidade ou à rotina”.
“Como jaz solitária a cidade outrora populosa! Tornou-se como viúva a que foi grande entre as nações; princesa entre as províncias, ficou sujeita a trabalhos forçados!”, Lamentações de Jeremias 1:1. Embora este texto fale da cidade de Jerusalém, ele sintetiza o estado em que os casamentos entram depois que todo romantismo tiver sido substituído pelas exigências do dia-a-dia. Quem se sentia pertencendo, “jaz solitário”.
A sensação de ter sido abandonado nas expectativas torna os cônjuges como “viúvos”. E a economia doméstica, a vinda dos filhos, o trabalho e a rotina instala os “trabalhos forçados” pois se possível fosse, o jovem casal continuaria apenas a namorar. A etapa da volta à realidade ou a rotina apresenta-se quando um ou os dois cônjuges saem para trabalhar a fim de pagar as obrigações financeiras, quando existem tarefas diárias e repetitivas a serem executadas. Com freqüência, o primeiro filho está a caminho, sem aviso prévio. Não há tempo nem tranquilidade para sonhar. A dureza do dia-a-dia que o sistema econômico impõe às pessoas envolve também quem vive o esplendor do romantismo. O encanto passional se vai, dissipando-se como a névoa; a realidade começa a apresentar os seus verdadeiros contornos. A performance real do jeito de ser de cada um é percebida sempre mais nitidamente. Fica difícil idealizar tudo o que acontece. A outra pessoa é de uma maneira que, se ela continuar assim, não cumprirá todas as promessas explícitas ou implícitas feitas.
Todos temos expectativas em relação ao casamento. Imaginamos muitas vezes que a vida será uma eterna lua-de-mel. Quando a realidade descrita acima passa a valer, temos sempre a expectativa de que tudo volte a ser como antes. Como quando namorava-mos ou como quando nos casamos. Mas o dia-a-dia atrapalha ou as máscaras efetivamente caem com o tempo.
Mesmo assim, por um tempo vivemos a expectativa de que essas fantasias terão reciprocidade. E realmente, de vez em quando, acontecem momentos maravilhosos entre o casal. Mas novamente são substituídos pela realidade do trabalho, filhos, temor de verdadeira intimidade, falta de habilidades românticas, pouca criatividade, etc.
Passamos a fazer tentativas desesperadas de manipular o cônjuge para obter um retorno mesmo que temporário ao passado (distante ou não). Criamos surpresas que antigamente provocavam certas reações românticas. Falamos mal do cônjuge diante de outras pessoas, tentando fazer com que o outro melhore.
O que fazer para resolver ou melhorar?
Duas coisas podem ser feitas imediatamente, e irão gerar bons frutos.
A primeira é com relação às expectativas. Elas precisam ser explicitadas. Inicialmente para mim mesmo. Será que não estou herdando expectativas de meus pais em vez ter as minhas? Quais foram as expectativas com que você iniciou o seu casamento? Quais foram as expectativas realizadas e cumpridas (temos a tendência de achar que nada de bom aconteceu)? Juntos poderão ver o que fizeram com expectativas não realizadas e não cumpridas. Como vocês resolveram as mágoas resultantes de frustrações no casamento? Quais são as expectativas que você tem ainda hoje a respeito do casamento?
Mas nada disso vai acontecer se não tiverem uma comunicação franca e sincera. Evidentemente certos assuntos criam medo, ansiedade, dúvida ou raiva. Mas com algumas estratégias todos os sentimentos, desejos, expectativas poderão ser expressos adequadamente, sem gerar traumas ou danos irreparáveis.
Nancy Van Pelt descreve algumas diretrizes para expressar os sentimentos de modo adequado:
1. Falem sem raiva ou hostilidade. Baixem a voz em vez de levantá-la.
2. Sejam claros e específicos. Pensem ao falar, e digam claramente o que querem dizer.
3. Sejam positivos e apreciativos. Nada de buscar faltas, culpar ou julgar.
4. Sejam corteses e respeitosos mesmo quando não concordem entre si.
5. Percebam as necessidades e sentimentos um do outro.
Agora algumas diretrizes para se tornarem bons ouvintes:
1. Demonstrem interesse um pelo outro. Mantenham bom contato visual e respondam com um sorriso ou meneio da cabeça.
2. Usem frases apropriadas para mostrar acordo, interesse ou compreensão.
3. Formulem bem perguntas que demonstrem interesse e encorajamento para falar.
4. Quando pensarem que vocês acabaram de ouvir, ouçam 30 segundos mais.
Por Eliseu Schmidt
Via Casalcristão

Deixe seu comentário